Leia um trecho erótico do livro “O Homem de Santorini”

Ao bater em sua porta, sabia que estava indo ao encontro da minha perdição, e quando ele a abriu, dei de cara com um sorriso cínico e confiante.

Eu quero esse homem pra mim.

— Sem arrependimentos? — Arqueou a sobrancelha, desafiando-me.

Libertando a Lauren Hilton destemida, a mesma que o encontrara no elevador do Artemis Pallace, dei um passo à frente e envolvi meus braços em torno de seu pescoço.

— Você me deve um banho. — Mordi seu lábio inferior, enquanto ouvia a porta do quarto se fechar atrás de mim.

— Promessa é dívida, agapitós…

— Eu vou cobrar. — Beijei seu queixo.

— Mas não agora. — Prendeu-me em seus braços, devorando minha boca com a sua, fazendo com que eu esquecesse meu próprio nome.

Poder tocá-lo sem receio deixou-me ainda mais curiosa para explorar seu corpo. Quando chegamos até a cama, Alexios afastou-se e desabotoou sua camisa com pressa e desajeitadamente, enquanto aproveitei para retirar minha sandália. O quanto antes estivesse nua com aquele homem na cama, melhor. A ânsia por tê-lo finalmente dominou-me por completo e, já descalça, dei um passo à frente, tomando a liberdade de despi-lo de sua bermuda.

 — Estou com fome de você, Lauren — sussurrou em meu ouvido, enquanto abaixava a alça do meu vestido para tomar um dos meus seios em sua boca.

— E eu de você. — Segurei com firmeza o seu pau, após abaixar a cueca juntamente com a peça de roupa. Ele estava completamente nu e o formigamento entre as pernas denunciava o quanto eu estava desejosa para tê-lo dentro de mim o quanto antes. Tão grande e rijo, não havia dúvidas que Alexios também me queria com urgência. Soltei-o apenas para que ele retirasse meu vestido e minha calcinha encharcada, mas tão logo estava nua, colei meu corpo ao dele para sentir sua ereção em minha pélvis, atiçando-me ainda mais.

— Gosta do que vê, agapitós? — Deu um passo para trás, começando a se masturbar na minha frente enquanto sorria descaradamente, sem cortar o contato visual.

Passei a língua pelos lábios, tentando imaginar como seria tê-lo em minha boca. Mas não queria dar margem à imaginação, precisava vivenciar cada fantasia que surgisse em minha mente.

— Não quero ficar olhando, preciso provar você. — Quebrei a distância entre nós e o segurei pela mão, levando-o até a enorme cama, empurrando-o pelos ombros para que se deitasse de costas no colchão. Assim que o fez, subi, apoiei meus joelhos e, me inclinando em sua direção, segurei com possessividade meu objeto de desejo e prazer.

— P!@#, Lauren. Se continuar me olhando desse jeito, vou gozar na sua mão.

Sorri, achando graça do desespero dele. Negando com um gesto de cabeça, aproximei meus lábios da glande e lambi a ponta de leve, para provocá-lo.

— Vai gozar na minha boca. — Finalmente, cedi à minha fome e o devorei, apreciando seu gosto, o tamanho avantajado e a espessura generosa. — Meu deus grego delicioso.

Cada gemido dele era um estímulo para mim. Torturando-o com minha língua, lambi toda a extensão, massageei suas bolas e o abocanhei até onde conseguia. Eu não compreendia seu idioma, mas podia jurar que seus murmúrios na língua nativa eram as palavras mais obscenas do seu vocabulário, o que me deixava ainda mais louca de tesão e ambiciosa para satisfazê-lo.

— Já chega, não posso me desmanchar agora, agapitós. — Gargalhou, remexendo-se na cama para inverter nossas posições. — Você me chamou de deus grego, agora eu tenho uma reputação a zelar. É você quem vai gozar na minha boca.

Abriu minhas pernas, expondo-me sem pudor, o olhar devasso, as mãos curiosas trilhando o caminho da perdição, subindo e chegando ao ponto mais sensível, explorando com os dedos, entreabrindo os lábios vaginais e provocando, procurando o lugar certo para o meu deleite. Quando encontrou, gemi alto, elevando o meu quadril para que pudesse senti-lo mais profundamente. Dois dedos entrando e saindo, mas apesar de a sensação ser maravilhosa, sabia que ainda não era o auge, e queria, não, precisava que fosse mais intenso.

— Por favor… — implorei, sem vergonha. — Não posso mais esperar, Alexios.

— Estou apenas começando, Lauren. — Sua voz rouca, cheia de tesão e promessas, deixou-me ainda mais em expectativa.

Sua língua molhada me invadiu, sugando com vontade o resultado do que ele próprio causava em mim. Gritei, puxei seus cabelos com força, tentei me contorcer enquanto suas mãos apertavam minhas coxas com firmeza e sua boca me explorava, fazendo-me derreter de tanto tesão.

 — Alexios… — Mordi meus lábios, tentando controlar o desejo insano, a vontade de continuar chamando seu nome sem parar, sem medo de que pudessem ouvir.

Enlouquecida de tanto prazer, enfeitiçada por um deus grego que sabia como deixar uma mulher delirando apenas com uma prévia do que seria capaz de fazer em uma cama, entre quatro paredes. Toquei meus seios, acariciando-me e me deixando levar pelo calor crescente em meu ventre. O orgasmo se aproximando e minhas pernas perdendo as forças, enquanto ele continuava estimulando minha zona erógena. Alexios também gemia, como um animal faminto devorando a carne suculenta, esbaldando-se em um banquete exclusivamente seu. E parecia adorar cada pedaço, pois continuou até que finalmente me libertei, gritando seu nome mais uma vez, fechando minhas pernas e pressionando sua cabeça.

— A sua b!@#$ é minha ambrosia, agapitós. — Mudou de posição, pairando sobre meu corpo, apoiando as mãos no colchão, lado a lado da minha cabeça. Beijou meu pescoço, queixo e face, alternando enquanto senti a ereção latejante perto de onde eu queria que estivesse bem profundamente. — O manjar dos deuses do Olimpo, um doce com divinal sabor, capaz de matar um simples mortal. Mas você disse que eu sou seu deus grego delicioso, não é mesmo? — Enterrou dois dedos novamente, espalhando minha umidade, o cheiro do sexo à nossa volta, inebriando-me os sentidos. — Está pronta para ser comida, Lauren. Tão molhada e aberta para me receber. — Segurou seu pau com uma das mãos e o posicionou, roçando na minha entrada, provocando. — É isso o que quer de mim? Meu pau, bem fundo dentro de você?

 

 

 

 

Fonte: Cosmopolitan

  • Comentar