Presidente do PPS, Roberto Freire deixa Ministério da Cultura

O ministro da Cultura, Roberto Freire, do PPS (Cristiano Mariz/VEJA)

O ministro da Cultura, Roberto Freire, do PPS (Cristiano Mariz/VEJA)

Um dos dois ministros do PPS com cargos no governo do presidente Michel Temer (PMDB), o titular da Cultura, Roberto Freire, decidiu que vai deixar a pasta ainda nesta quinta-feira. Ele acompanha a decisão das bancadas do partido na Câmara e no Senado, que optaram por defender a renúncia do presidente. Freire foi ao Palácio do Planalto comunicar a decisão a Temer.

O outro ministro do PPS, o titular da Defesa, Raul Jungmann, havia decidido mais cedo que acompanharia Freire e também abandonaria o governo. Eles passaram o dia em telefonemas comentando os desdobramentos do caso e desembarcariam do governo em operação casada. No entanto, Jungmann ao Ministério da Cultura e avisou ao colega que não vai pedir sua exoneração neste momento, apontando a estabilidade das Forças Armadas como justificativa para permanecer no cargo, por enquanto.

“A decisão de sair é política do partido, todos achavam que eu devia sair. Não volto atrás. Mas não vamos fazer oposição ao governo. O Raul fica por causa das Forças Armadas, ali é melhor não criar nenhum problema ” disse Roberto Freire a VEJA, a caminho de reunião com Temer no Palácio do Planalto. Levava sua carta de demissão.

Carta de demissão de Roberto Freire do Ministério da Cultura (Reprodução/VEJA)

Carta de demissão de Roberto Freire do Ministério da Cultura (Reprodução/VEJA)

Na véspera, Freire dissera que a situação de Temer era “crítica” e admitira que houve debates abertos sobre a renúncia presidencial num encontro da base e ministros na casa de Rodrigo Maia (DEM-RJ), presidente da Câmara. A renúncia era aguardada pelo PPS. Para o partido, Temer perdeu a sustentabilidade política.

Presidente nacional do PPS, Freire assumiu o Ministério da Cultura em novembro, na esteira do escândalo envolvendo o antecessor, Marcelo Calero, que acusou o presidente e o então ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, de pressioná-lo a rever, por razões políticas, uma decisão técnica do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

Freire também chegou a ser citado na delação da Odebrecht por suspeita de caixa dois, mas o Supremo Tribunal Federal pediu uma nova avaliação do caso ao Ministério Público Federal. Em entrevista a VEJA, negou ter se beneficiado irregularmente, criticou a esquerda e disse que gostaria de reformar a Lei Rouanet.

Veja.com

  • Comentar