CONECTE-SE CONOSCO

Destaque

SAÚDE: Tuberculose atinge 3,5 paraibanos por dia e doença pode afetar outras áreas além de pulmão

Publicado há

em

Uma doença infectocontagiosa que pode ocorrer em qualquer região do corpo, mas que é capaz de destruir o pulmão. Trata-se da tuberculose, patologia provocada pela bactéria Bacilo de Koch. Apesar de difícil tratamento é uma doença que é totalmente curável. Na Paraíba, 3,5 pessoas descobrem por dia que tem a doença. Em 2019, foram notificados 177 novos casos e 10 óbitos. Já no ano passado foram 1.302 casos novos e 73 mortes. A atenção para o problema voltou após famosos contraírem e falar abertamente sobre a doença e tratamento.

O médico infectologista do Hapvida em João Pessoa, Fernando Chagas, fala sobre as formas de manifestação clínica da doença. “É preciso que o indivíduo tenha inalado uma quantidade considerável de bacilos que vai para o pulmão e surgem os primeiros sintomas. Como tosse, febre vespertina diária, tremores e perda de peso”, destaca.

Apresentando os sintomas referidos, a doença pode ser diagnosticada por meio do exame de baciloscopia, onde é realizado uma análise do escarro. Outra forma de diagnosticar a doença é o teste rápido molecular para tuberculose. “Este exame detecta o DNA do Bacilo. Além disso, é possível identificar por outros exames como tomografia”, afirma Fernando Chagas.

Apesar do tratamento da tuberculose ser longo por meio dele é possível alcançar a cura. Medicamentos específicos fazem parte do tratamento. O peso do paciente é determinante para posologia da medicação.  De acordo com o especialista há uma variação de tempo para o tratamento da doença. “Para quem não tem HIV e nenhuma comorbidade o tempo é de seis meses. Já pessoas com diabetes e HIV o tratamento é feito em nove meses, podendo esse período ser estendido”, explica o infectologista.

O médico alerta que as pessoas que convivem com pacientes com tuberculose precisam estar atentos aos cuidados. “É preciso usar máscaras específicas que evitam que a bactéria entre no trato respiratório. Além disso, devem realizar exames constantemente para diagnosticar a presença ou não da doença, que pode ocorrer de forma latente”, ressalta.

Famosos – No ano passado, a cantora Simaria, da dupla sertaneja com Simone, foi diagnosticada com tuberculose ganglionar, uma apresentação mais rara da infecção. Ela é provocada pelo mesmo bacilo da tuberculose pulmonar. O cantor Thiaguinho também foi vítima da doença, sendo a pleural.

Números – De acordo com o Ministério da Saúde, o Brasil registrou 72 mil novos casos de tuberculose no ano passado. Em 2017, foram 73 mil. Entre os novos casos, 10,4% são presidiários, 8,7% pessoas com HIV, 2,5% população de rua e 1% indígenas, considerados de maior vulnerabilidade à doença. A tuberculose matou 4,5 mil pessoas em 2017 e 4,4 mil no ano anterior, no país. Os números de 2018 ainda não foram divulgados.

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Vacina contra a COVID-19: professores pedem para serem incluídos nos grupos prioritários

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Polícia recupera dinheiro roubado de casa lotérica em Pirpirituba

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Plantão Coronavírus: Paraíba registra 34 óbitos nas últimas 24h

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.