CONECTE-SE CONOSCO

Sem categoria

Conversa de elevador pode render boas experiências: entenda

Publicado há

em

Na vida, você é a pessoa que puxa papo no elevador e na fila do banco, ou você foge dessas situações? Por mais inofensivos que eles possam parecer, esses momentos, na verdade, são meios de criar conexões com o outro, podendo trazer ganhos para os dois lados. Mas, para isso, é preciso ir além do clássico e automático “será que vai chover hoje?”, seguido de um silêncio constrangedor.

Papo informal pode se transformar em empatia e afinidade Descobrir algo sobre alguém, por mais simples que seja, já é algo que fará vocês se sentirem mais próximos. Quando não sabemos nada sobre uma pessoa, tendemos a não enxergá-la como um igual. A gente sabe que ali existe um ser humano, “mas não desenvolvemos empatia por ele”, explica a psicóloga Angelita Corrêa Scardua, pesquisadora do Departamento de Psicologia Social da USP (Universidade de São Paulo).

Agora, uma vez que você se abre para a outra pessoa, mesmo que seja em um simples “bom dia”, olhando para o outro, sorrindo, ouvindo de fato a voz e a resposta dele, naquele momento a pessoa se humaniza. “Você enxerga o outro demonstrando algum tipo de emoção, seja com um sorriso ou com uma cara mais fechada, de um jeito ou de outro essa pessoa sinaliza emoção, então você reconhece ela como igual”, afirma Scardua. Dessa forma, abrimos espaço para empatia. Esse é o principal ganho dessa conversa informal.

Você também pode descobrir afinidades com pessoas completamente improváveis e inesperadas. Em um dia de muita chuva, por exemplo, alguém ao seu lado comenta sobre como a cidade fica caótica com esse tempo, mas que na realidade ela gosta de chuva mesmo assim. Então, você se dá conta e afirma que também gosta de chuva. Pode parecer algo totalmente banal, mas essa simples afinidade já traz a sensação de pertencimento, de que vocês fazem parte de um grupo.

“Para o ser humano é muito importante se reconhecer em um grupo”, conta Scardua. Ao ser reconhecido pelo outro, ele te enxerga e você o enxerga e, assim, vocês quebram barreiras e abrem espaço para as pessoas. Pode ser que essa não venha a se tornar uma relação mais profunda, mas abre espaço para essa possibilidade no momento em que as partes se mostram dispostas.

Por fim, há o benefício de sair um pouco do estresse do seu dia a dia. “Esses contatos oferecem uma descontinuidade na rotina, são espaços de respiro em que a gente poderia introduzir conversas indeterminadas”, diz o psicólogo Christian Ingo Lenz Dunker, professor do Instituto de Psicologia da USP (Universidade de São Paulo).

Como ser intencional no “papo de elevador”?

Ao embarcar em uma “small talk”, termo em inglês para esse tipo de papo de elevador, é preciso deixar de se orientar pela funcionalidade da conversa, ou seja, não pensar só no que queremos solucionar ali ou apenas cumprir um protocolo. Se nos guiarmos dessa forma, acabamos perdendo boas ocasiões para fazer contatos empáticos com o outro.

Estamos tão acostumados a informar direções, quando alguém pergunta como chegar em determinado lugar, ou a resolver problemas em geral, que não percebemos que naquele contato existe uma pessoa com um estado emocional, com inquietudes, inseguranças, assim como nós. Então, quando conseguimos nos deslocar da nossa bolha e olhar para o outro, podemos ver quem é aquela pessoa.

“Esse é um princípio de que, se você quer confiança, ofereça confiança e abertura. Se você demonstra um interesse genuíno pelo outro, por meio do seu tom de voz, pela forma como faz sua pergunta, é provável que receba interesse de volta”, explica Dunker. Agora, se você presumir que todos estão apressados como você e só usá-los para resolver problemas, é basicamente o que você também vai receber em troca.

Uma vez disposto a embarcar de forma mais aberta nessa conversa, os caminhos que o papo percorrerá são os mais variados, alguns mais ricos do que outros. Mas, de acordo com Dunker, a verdadeira experiência acontece a partir do repertório que será depositado no “small talk”. Tudo vai depender da formação cultural e de vivência de cada um. Para isso, vale colecionar bons filmes na bagagem, boas histórias de vida, conhecer lugares legais etc. “A riqueza do encontro com o outro é a matéria prima do que vai vir a seguir. Se você só consome coisas que são pobres, a conversa vai acabar por falta de gasolina”, conclui ele.

fonte: UOL/ foto: Istock

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sem categoria

Prefeito de Guarabira torce pela chapa “Doria e Eduardo” em 2022

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Sem categoria

Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero do Creci-PB combaterá racismo

Publicado há

em

O Conselho Regional de Corretores de Imóveis da Paraíba deve promover no próximo mês de novembro, dedicado à consciência negra, campanha contra o racismo estrutural, que consiste num conjunto de práticas discriminatórias, institucionais, históricas, culturais, que privilegiam algumas raças em detrimento de outras.

A iniciativa, da Comissão de Diversidade Sexual e de Gênero, foi apresentada pela coordenadora Melissa Kettley ao superintendente em exercício Mário Vicente e ao conselheiro e presidente eleito Ubirajara Marques que, na ocasião, assegurou a manutenção da Comissão para o próximo triênio.

Nesse contexto, ela também propôs o acréscimo à nomenclatura da Comissão do termo étnico-racial, para agregar pessoas negras e outras etnias, onde a própria Comissão já tem. E sugeriu a destinação de uma parte dos alimentos arrecadados quando das inscrições para os eventos realizados pelo Creci-PB, para instituições que apoiam LGBTQIA+ em situação de vulnerabilidade.

O termo racismo estrutural é usado para reforçar o fato de que há sociedades estruturadas com base no racismo, que favorecem pessoas brancas e desfavorecem negros e indígenas.

Desde a sua criação, de forma inédita no país, a Comissão já fez denúncias de cunho LGBTFÓBICAS nas redes sociais, workshop em Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD) e campanha alusiva ao Dia da Visibilidade Trans (29 de janeiro).

“Na ocasião, foram confeccionados 500 cartazes da lei estadual que proíbe a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero nos estabelecimentos públicos e privados, e distribuídos nas imobiliárias, escritórios, construtoras, delegacias e em outros locais. Por ter sido revestida de êxito, devemos repetir essa campanha em janeiro”, concluiu.

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Sem categoria

João Gomes faz show com aglomeração em aldeia indígena da Paraíba

Publicado há

em

Descumprimentos de normas sanitárias foram registrados durante a apresentação do cantor João Gomes, na noite dessa terça-feira (28), no Litoral Norte da Paraíba. O evento de comemoração do padroeiro dos índios potiguares ocorreu na aldeia de São Miguel, localizada no município de Baía da Traição.

A festa privada, com ingressos de até R$ 120, teve aval do Ministério Público Federal (MPF) e permissão da presença de 1.233 pessoas no local. O órgão disse que liberou a festa “desde que os protocolos previstos em decreto estadual fossem rigorosamente cumpridos”. Um vídeo compartilhado nas redes sociais, mostra pessoas aglomeradas e sem máscaras. Veja:

 

O MPF também solicitou que para participação na festa, as pessoas deveriam estar “completamente vacinadas”.

Em nota, o MPF disse que a prefeitura se encarregou de fiscalizar o cumprimento dos protocolos. A organização do evento se comprometeu a contratar 45 seguranças e bombeiros para ajudar na fiscalização.

Sobre as denúncias de aglomeração, Ministério Público disse que pedirá informações à prefeitura e à Polícia Militar, para apuração. “Providências serão adotadas caso fiquem comprovadas irregularidades”, finalizou o comunicado.

A Funai (Fundação Nacional do Índio) informou que não participou da intermediação do evento.

A Secretaria de Saúde de Baía da Traição disse que emitirá, pela Vigilância Sanitária, um relatório das informações solicitadas pelo MPF.

O novo decreto do governo da Paraíba permite a presença de torcedores em estádios de futebol e eventos – como shows – com 20% da capacidade dos estabelecimentos, mas essas regras são válidas a partir de 1º de outubro.

Portal T5

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.