CONECTE-SE CONOSCO

Destaque

QUEM É A PROFESSORA CÉLIA REGINA QUE PODERÁ SER A PRÓXIMA REITORA DA UEPB?

Publicado há

em

QUEM É A PROFESSORA CÉLIA REGINA QUE PODERÁ SER A PRÓXIMA REITORA DA UEPB?

 

(Entrevista com a Profª Drª Célia Regina Diniz, Pré-Candida a Reitora da UEPB).

Muitos podem até pensar que basta entrar no Currículo Lattes de uma pessoa para saber quem é ou o que faz. Mas não é tão simples assim, pois o Lattes é apenas um resumo oficial da vida acadêmica de alguém.

Quando soube que a Professora Drª. Célia Regina Diniz será candidata à Reitora da UEPB, a primeira coisa que me veio à mente foi a ideia de que “Célia Regina é uma mulher valente!”. Ao afirmar que ela é uma mulher valente, não quero diminuir ou desconsiderar as demais, pois acho que elas já são guerreiras e valentes desde o momento em que nascem. Pois, se tem uma coisa fantástica para ser observada é o processo emancipatório conquistado pelas mulheres em diferentes partes do mundo.

Quando fizemos esta entrevista com a professora, através de contatos remotos impostos pela pandemia de Covid-19, queríamos saber do seu sentimento em assumir esse desafio e de onde ela tiraria forças para tão grande empreitada. Independente de Currículo Lattes, começamos perguntando quem é a professora Célia Regina? Ela nos respondeu desse jeito:

Sou Célia Regina Diniz, Engenheira Química pela UFPB; Mestre em Engenharia Sanitária e Ambiental pela UFPB; Doutora em Recursos Naturais pela UFCG. Entre os anos de 1982 a 1993 fui professora do Ensino Fundamental e Médio. Me tornei Professora da UEPB desde 1994 e em 2001 fui efetivada como professora através de Concurso Público. Estou lotada no Departamento de Enfermagem do Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS), ministrando componentes como Saúde Ambiental, Epidemiologia e Metodologia da Pesquisa.

Além de professora, pesquisadora e extensionista, em 2004 assumi a Pró-Reitoria Adjunta de Planejamento. Entre 2005 e 2006 fui chefe de gabinete da reitora. De 2007 a 2014 fui Pró-Reitora de Administração. Fui chefe de gabinete do professor Rangel Júnior em 2015 e; entre 2016 a 2020 assumi a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas.

É importante destacar que a sugestão do seu nome para ser candidata surgiu a partir dos vários diálogos internos, com a participação de professores, técnicos e estudantes, atentos aos rumos da UEPB em relação as suas políticas internas, que ocorrem nos oito campi universitários (Catolé do Rocha, Patos, Monteiro, Campina Grande, Lagoa Seca, Araruna, Guarabira e João Pessoa).

Em uma mensagem de whatsApp o professor Rangel Júnior, atual reitor nos respondeu que a indicação do nome da professora Célia Regina é um consenso dentro do seu atual reitorado, e mediado pela democracia universitária, terá todo o seu apoio, pois segundo ele, a professora Célia Regina possui todas as qualidades para fazer um excelente reitorado

Mas queríamos saber quem é a Célia Regina para além das atividades docentes e administrativas na UEPB. Quem será a mulher por trás da profissional? Lhes fizemos estas perguntas diretamente, pois em nosso país as mulheres, em muitos casos, carregam uma jornada dupla ou tripla de trabalho. Ela nos respondeu que:

Por trás da professora Célia Regina existe uma mãe, uma dona de casa, uma mulher que, como a maioria, enfrenta os desafios das desigualdades cotidianas que marcam a existência da mulher.

Assim, como praticamente toda mulher,  enfrento a sobrecarga do acúmulo de jornadas de trabalho, em casa e fora dela, e sempre encaro a dificuldade no dia a dia em casa, no acompanhamento dos filhos, pelas cobranças e compromissos assumidos junto à Universidade (e sempre fui muito cobrada por isso, principalmente por mim mesma!). Hoje, com os filhos criados, encontro em casa, verdadeiras companhias para papos adultos, sem perder aquela ternura de mãe coruja.

Sou uma mulher que gostaria de ter mais tempo para cozinhar o que gosto, porque adoro cozinhar – e o faço muito bem, diga-se de passagem! É curioso porque muita gente acredita que a professora e Pró-Reitora Célia Regina não tem afazeres domésticos, pelo perfil executivo, pelo tanto de tempo que dedica à UEPB. Mas a verdade é que tenho, faço e gosto de fazer.

Como mulher, livre, independente, dona de mim, nunca tive medo de conhecer pessoas, de namorar, de ser feliz, mas tendo a consciência de que isso tudo não é fácil quando se é mulher e quando se é uma pessoa pública, afinal nós ainda vivemos um mundo de muitos preconceitos, discriminação às mulheres e ataque àquelas que quebram paradigmas, tabus…

Em resumo, me vejo como a professora Célia Regina, essa mulher, cheia de “papéis” para além da vida profissional, que tenta viver de forma muito livre e,  independente das escolhas, mas também imersa nas contradições e “culpas” que são socialmente colocadas sobre as mulheres, por essa sociedade ainda tão desigual.

Depois que a Professora Célia Regina nos respondeu abertamente sobre a mulher, a pessoa para além dos limites da Universidade, então lhes perguntamos sobre o desafio colocado neste momento político e de saúde pública em que vivemos, em meio a maior e mais rápida pandemia da história humana, pois as universidades e a ciência estão na linha de frente para solucionar esse grande problema.  A Professora Célia Regina, franca como sempre, nos disse que:

Nunca tive medo de grandes desafios, pois a vida profissional e familiar que tenho, bem como os laços afetivos emocionais e profissionais que fiz na vida, se traduz pelo companheirismo dentro da UEPB. Isso me deixa confortável para mais esse desafio e esse difícil momento pelo qual estamos passando.

Na medida em que vários professores, técnicos administrativos, estudantes, diretores de centros, ex-diretores, chefes, coordenadores, pró-reitores, entre tantos outros e outras pessoas sugeriram meu nome para concorrer a este cargo, botei a cabeça no travesseiro, conversei com a família e vi que tinha que responder positivamente, pois sou servidora pública é o meu papel, mesmo sabendo que o(a) Reitor(a) é o maior cargo dentro da Universidade, tenho que assumir mais esse desafio.

Sobre o atual momento de pandemia o que posso responder é que  trabalho no Departamento de Enfermagem do Centro de Ciências Biológica e da Saúde, desde 1994 e sei da importância que a Ciência tem nesse momento tão desafiador para a humanidade, e se eleita, com certeza saberei conduzir e dar continuidades aos programas que a UEPB já vem desenvolvendo para o enfrentamento dessa pandemia.

Perguntamos sobre as suas participações na administração da UEPB e se esta participação lhe qualifica para ser a futura Reitora?

Primeiramente destaco o fato de ter sido a chefe de gabinete durante dois reitorados, o da Profa. Marlene Alves e o do Prof. Rangel Jr. Foram dois momentos completamente diferentes, primeiro quando a UEPB acabava de conquistar sua autonomia financeira e segundo, o corte de recursos orçamentários e financeiros da universidade. Ambos foram aprendizados importantes para esse novo desafio.

Na Pró-Reitoria Adjunta de Planejamento posso afirmar que essa experiência me permitiu compreender o completo funcionamento da UEPB, desde as questões de infraestrutura dos 08 campi, passando pelas necessidades de melhoria e ampliação dos serviços da UEPB, considerados os orçamentos, as necessidades e o planejamento de curto, médio e longo prazos.

Nesta Pró-Reitoria tomei consciência de que não era fácil administrar uma universidade que parece pequena, mas que na prática está disseminada em quase todas as regiões da Paraíba, pois quando juntamos todos os campi, todos os servidores e todos os estudantes, percebemos que a UEPB congrega mais de 22 mil pessoas. Na Paraíba, com 223 municípios, apenas 27 possuem população superior ao tamanho demográfico da UEPB.

Perguntamos se ela ter sido Pró-Reitora de Administração entre os anos de 2007 a 2014, lhe daria uma forte vantagem sobre os demais candidatos que disputarão o cargo de Reitor(a)?

Nunca tinha pensado nesse aspecto, mas considero que o cargo de Pró-Reitora de Administração, respeitadas as proporções, é como a função de um Secretário Municipal de Administração, pois aí estão todas as responsabilidades práticas ou técnicas da administração pública. Tenho essa experiência no meu currículo e juntei ao conhecimento adquirido para colocar em prática durante todo esse período.

Na parte administrativa da UEPB é onde você precisa demonstrar equilíbrio, temperança, racionalidade prática e visão administrativa, pois ali você precisa saber dizer o não e o sim, e ainda deixar seus interlocutores satisfeitos com o não ocasionalmente dito. Na Pró-Reitoria de Administração dialogamos com toda a Universidade, com todas as demandas de todos os setores da instituição.

Ao assumir esse cargo tive tanto a visão micro quanto a visão macro da universidade, e essa era a minha responsabilidade direta. Bom, sobrevivi e tenho muitas histórias exitosas para contar, pois quando olho para a UEPB que encontrei em 1994 e vejo a UEPB de 2020, apesar de toda a crise financeira e orçamentária pela qual passamos, observo que evoluímos e muito.

Temos aprendido muito em meio a tudo isso e acrescento que em momento algum, abandonei a minha sala de aula e os meus projetos de pesquisa e extensão, pois no contado com os estudantes e com os companheiros e companheiras de trabalho, vem a oxigenação para acordar todas as manhãs, sabendo o tamanho da responsabilidade.

Você demonstrou que sua experiência em setores administrativos da UEPB, fortaleceram sua melhor compreensão sobre o funcionamento da universidade, mas gostaríamos de entender tudo isso de maneira mais específica. Como é fazer parte desse todo?

Bom, começo dizendo que a UEPB funciona nas manhãs, tardes e noites, com cursos de Graduação, Especialização, Mestrado e Doutorado. Além de Laboratórios, Clínicas, Programas de Pesquisa, Programas Estudantis, Programas de Qualificação Técnica e Docente, Projetos de Pesquisa e Programas e Projetos de Extensão.

Significa dizer que são demandas para seres humanos em todas as direções e com solicitações sempre crescentes. Então, em minha filosofia administrativa, percebi que necessidade material é apenas um aspecto entre os muitos outros da administração para a comunidade acadêmica, para os seres humanos, e estes sim devem estar sempre na primeira ordem de importância.

Cada Campus ou Centro apresenta suas demandas de infraestrutura, auditórios, bibliotecas, arquivos, organização dos departamentos, jardinagem, laboratórios, equipamentos de informática, concursos para professores e técnicos. Agora multiplique isso por 08 Campi e por 12 Centros universitários, cada um com suas demandas. Eu sempre buscava a solução dessas questões com muita sinceridade, de forma objetiva e me empenhava sempre para equacionar os problemas apresentados.

Posso dizer que a experiência no Planejamento e na Administração me qualificaram para o cargo, sem querer achar que sou melhor do que ninguém, pois tenho consciência de que todos os êxitos nestes cargos, dependeram diretamente de uma equipe, dedicada e qualificada para a missão. Dependeram de Diretores de Centros, Chefes de Departamentos e Coordenadores de Curso e outros chefes de setores muito atentos e comprometidos com o projeto maior da UEPB, que está acima de nomes e cargos administrativos.

Seu último cargo foi a Pró-Reitoria de Gestão de Pessoas (2016 a 2020), onde você teve que tratar diretamente com os problemas individuais (professores e técnicos administrativos, além dos contratos de professores visitantes e substitutos). Em que essa função lhe qualifica para o cargo de Reitora?

Sendo muito franca, quando fui convidada pelo Professor Rangel para assumir essa pasta, pensei, vai ser meu maior desafio dentro da Universidade, mas como lhe disse no começo dessa nossa conversa, não sou uma mulher de correr dos desafios, e aceitei.

No começo, confesso que encontrei muitas dificuldades, pois nós estamos mexendo diretamente com a vida das pessoas, com o “coração humano”, pois nesta Pró-Reitoria encontra-se a vida de cada um/a, lá estão os pais e mães de famílias, filhos, pensionistas, e os aspirantes a aposentados, etc. Posso dizer que fiz uma reestruturação no setor e passei a contar com uma equipe muito competente, pois do contrário não conseguiria o êxito esperado.

Nesse setor, tive o DESAFIO de SANEAR a folha de pagamento para caber no orçamento cada vez menor. Estive presente no fortalecimento de políticas já existentes e construção de novas (escuta psicológica, saúde do trabalhador, capacitação continuada de servidores, cuidado com a saúde e educação financeira, na iniciativa na proposição ao CONSUNI de ampliação dos prazos de licença-maternidade e paternidade; na proposição ao CONSUNI de fixação de mínimo de cargos da gestão ocupado por mulheres; na flexibilização da jornada de trabalho para servidoras lactantes, e na construção da portaria que regulamentou o trabalho remoto na pandemia da Covid-19.

Nesse período de isolamento social, tivemos que exercitar novas experiências, propor novas relações de trabalho, olhar para os estudantes com vulnerabilidade social, fornecendo auxílio conectividade, atentar para a saúde física e mental de todos os servidores e servidoras da UEPB, desenvolver oficinas para trabalhar com essas novas tecnologias de comunicação e considero que saímos na vanguarda em vários aspectos. O meu desejo é que todo esse distanciamento social passe logo, pois a presença e o calor das pessoas é o que nos torna mais humanos.

Portanto, hoje posso dizer que conheço o quadro humano que representa toda a força de trabalho que move a Universidade Estadual da Paraíba. Posso afirmar com toda certeza de que, dentro da UEPB existem diferentes pulsações, diferentes sentimentos de pertencimento e até mesmo divergências internas, mas nossas convergências humanas são muito maiores e mais fortes.

Para finalizar este bate papo que mensagem nos deixa a pré-candidata a Reitora da UEPB, Professora Célia Regina?

Gostaria de lhe agradecer por essa entrevista, pois você me fez recordar e rememorar um pouco de minha trajetória enquanto mulher, mãe, professora, administradora. Me sinto preparada para esse novo desafio em representar a Universidade Estadual da Paraíba, para além dos seus limites, revelando que a instituição é muito maior do que alguns pensam.

Espero que essa consulta a comunidade universitária transcorra da melhor maneira possível e desde já me coloca à disposição da comunidade para os possíveis e necessários debates e apresentação das nossas propostas, construídas coletivamente. Saudações Universitárias.

Queremos agradecer a Professora Célia Regina pela disposição em nos atender e a responder todos estes questionamentos. (Esta entrevista poderá ser republicada ou compartilhada em outros meios de comunicação desde que mantida sua integralidade e respeitada a fonte original e autorias).

 

Por Belarmino Mariano   

Guarabira50graus

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Prefeitura esclarece que protocolo e cerimonial do evento foi de responsabilidade do Ministério do Desenvolvimento Regional

Publicado há

em

Por

Após a repercussão da reclamação feita pela vereadora Rosane Emídio, que segundo ela foi completamente ignorada pelo cerimonial da prefeitura de Guarabira, durante a inauguração do Residencial Jáder Pimentel na tarde desta sexta-feira (30), o cerimonial da prefeitura esclareceu que, todo o protocolo e cerimonial do evento foi de responsabilidade do Ministério do Desenvolvimento Regional, que utiliza apenas o nome do projeto do empreendimento oficial (Guarabira Residence Park I e II) e não o composto pela lei municipal.

 

Veja também:

Vereadora critica cerimonial por tê-la ignorado durante inauguração do residencial Jáder Pimentel 

 

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Guarabira Park: contemplada diz que há 11 anos lutava para ter casa própria

Publicado há

em

Por

A dona de casa representante de uma das 400 famílias beneficiadas com um apartamento do residencial Jáder Pimentel, inaugurado na tarde desta sexta-feira (30), na cidade de Guarabira, Agreste paraibano, disse que há 11 anos lutava para ter casa própria, mas que devido às dificuldades financeiras enfrentadas por ela e o marido não tinha condições de realizar esse sonho. A revelação foi durante visita do ministro do Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, que esteve no apartamento dela, inspecionando a obra que foi inaugurada nesta tarde.

O empreendimento habitacional foi construído através da parceria prefeitura municipal e governo federal.

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Vereadora critica cerimonial por tê-la ignorado durante inauguração do residencial Jáder Pimentel

Publicado há

em

Por

Rosane Emídio - vereadora de Guarabira

Rosane Emídio – vereadora de Guarabira

A vereadora Rosane Emídio, nora do ex-prefeito de Guarabira, Jáder Soares Pimentel (in memoriam), homenageado com seu nome dado ao complexo habitacional inaugurado na tarde desta sexta-feira (30), na cidade de Guarabira, Agreste paraibano. O residencial Jáder Soares Pimentel, cujo a construção foi a través de parceria entre prefeitura e governo federal, é composto por 400 apartamentos.

Rosane é vereadora da base de oposição ao prefeito Marcus Diogo, uma das mais incisivas e críticas da administração municipal. Ela classificou como falta de respeito já que a mesma estava como representante da família Pimentel. Veja:

 

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.