CONECTE-SE CONOSCO

Notícias

Disputa por verbas reacende pressão por saída de Guedes

Publicado há

em

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) – A disputa por verbas para obras públicas reacendeu a pressão dentro do próprio governo e no bloco de partidos do centrão pela troca do ministro Paulo Guedes (Economia).

 

Enquanto integrantes da articulação política pressionam por espaço no Orçamento deste ano, membros da equipe econômica afirmam que o respeito às regras fiscais, como o teto de gastos, é condição para que Guedes permaneça no cargo.

No Palácio do Planalto, que centraliza as negociações sobre a proposta, ministros têm apoiado parlamentares, que tentam preservar recursos para obras. O argumento é que o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) precisa fazer acenos ao Congresso para minimizar riscos de abertura de processo de impeachment.

Assessores palacianos avaliam que, nessa queda de braço, Guedes tem perdido a disputa, sobretudo por estar do lado oposto ao do presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), líder do centrão e responsável pela abertura de um eventual processo de impeachment.

No Ministério da Economia, o diagnóstico é de que a proposta orçamentária ainda está em discussão e, por isso, ainda não é possível falar em derrota. Segundo eles, Bolsonaro não quer abrir margem para configuração de crime de responsabilidade e indicou que ouvirá a área econômica.

Procurado pela reportagem, Guedes não respondeu. Em conversas reservadas, Bolsonaro sinalizou que, apesar da pressão contra o ministro, não pretende substituí-lo agora, em um momento em que enfrenta uma crise econômica e outra sanitária.

O presidente, porém, tem se convencido da necessidade de fazer acenos ao centrão e de investir em obras públicas um ano antes da eleição presidencial, em uma tentativa de retomar a queda de popularidade enfrentada com a escalada de mortes por Covid-19.

O argumento principal de integrantes da Esplanada dos Ministérios que defendem a saída de Guedes é de que o ministro é exageradamente ortodoxo e não compreende que o aumento dos investimentos é crucial para que o presidente viabilize uma reeleição, mesmo que isso signifique a flexibilização da política de ajuste fiscal.

Para eles, o ideal seria um ministro da Economia de perfil desenvolvimentista. Um dos nomes defendidos é o do atual presidente da Caixa, Pedro Guimarães, um dos auxiliares favoritos de Bolsonaro.

Como mostrou o jornal Folha de S.Paulo, Guedes já enviou recado ao presidente de que pode haver uma nova debandada na equipe econômica se os problemas do Orçamento não forem corrigidos.

Na aprovação das contas de 2021, o Congresso aprovou R$ 48,8 bilhões em emendas parlamentares –forma de um congressista colocar sua digital numa verba para projetos na base eleitoral.

Para viabilizar essa cifra, foram cortados, artificialmente, R$ 26,5 bilhões em despesas obrigatórias, como benefícios previdenciários e abono salarial. A equipe econômica tenta reverter essa tesourada.

Protagonista de disputas com Guedes em episódios anteriores, o ministro Rogério Marinho (Desenvolvimento Regional) foi um dos maiores beneficiados pelas alterações no Orçamento. A verba da pasta subiu de R$ 6,4 bilhões para quase R$ 21 bilhões.

Por ser responsável por projetos na área habitacional, de saneamento e de gestão hídrica, o Desenvolvimento Regional normalmente é irrigado por recursos a serem apontados por deputados e senadores.

Em conversas com auxiliares, Guedes reclamou da forte expansão de verbas para Marinho. Para ele, as verbas para a pasta deveriam estar incluídas no acordo feito antes da aprovação do texto, que previam uma expansão de R$ 16 bilhões em emendas.

Segundo uma pessoa que acompanhou reuniões no Planalto, Guedes saiu dos encontros como voto vencido. Ele não conseguiu convencer os colegas a fazer todo o ajuste necessário no Orçamento.

O ministro da Economia defende um corte de R$ 20 bilhões a R$ 30 bilhões em verbas indicadas pelo Congresso para que seja possível recompor os recursos obrigatórios sem estourar o teto de gastos, regra que limita o crescimento das despesas do governo à variação da inflação.

Parlamentares e ministros do núcleo político não aceitam a proposta. O relator do Orçamento, senador Márcio Bittar (MDB-AC), aceitou abrir mão de até R$ 10 bilhões em emendas. Membros da cúpula do Congresso indicaram que aceitam aumentar esse corte para R$ 13 bilhões, patamar ainda distante do valor aceito por Guedes.

Bolsonaro tem até o dia 22 de abril para sancionar o Orçamento. Enquanto a equipe econômica defende veto parcial ao texto e o envio de uma nova proposta para fazer ajustes às contas, a articulação política pressiona para que a proposta seja integralmente sancionada e correções sejam feitas posteriormente. Uma nova reunião deve ser realizada na segunda-feira (5), com as presenças de Guedes e Lira.

Desde o início da gestão de Bolsonaro, Guedes entrou em quedas de braço com o núcleo político do governo, que tem restrições à agenda liberal do ministro. Em alguns dos embates, o ele acabou perdendo parte de sua equipe.

As disputas em torno do teto de gastos são recorrentes e já levaram a boatos de que Guedes poderia deixar o cargo. Em abril de 2020, ainda no início da pandemia, as alas política e militar do governo elaboraram um plano de recuperação econômica baseado em investimentos em obras, chamado de Pró-Brasil.

Contrária à ideia, a equipe econômica argumentou que o governo não tinha recursos para bancar obras sem romper o teto de gastos. O plano acabou deixado de lado.

Em outubro, o superministro entrou em uma briga pública com Marinho. Após o titular do Desenvolvimento Regional criticar Guedes em evento, o titular da Economia chamou o colega de “despreparado, desleal e fura-teto”.

folhapress

Comente com seu Facebook

Davi Carrero é jornalista (DTR 3342-PB). Acadêmico de Direito, atua no Tribunal de Justiça da Paraíba - TJPB.

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Notícias

Hospital divulga boletim sobre o estado de saúde do ex-prefeito de Duas Estradas/PB

Publicado há

em

Roberto ex-prefeito estava com uma troca de oxigênio baixa de 50%, por esse motivo precisou ser intubado agora, a taxa de infecção 12.000. Com comprometimento pulmonar de 75%. A médica falou que é a melhor alternativa neste momento para evitar maior sofrimento e comprometimento.🙏🏻

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Notícias

Paraíba registra 1.042 novos casos de Covid-19 e 27 óbitos nesta quinta-feira (22)

Publicado há

em

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) registrou, nesta quinta-feira (22), 1.042 casos de Covid-19. Entre os confirmados hoje, 77 (7,38%) são casos de pacientes hospitalizados e 965 (92,61%) são leves. Agora, a Paraíba totaliza 284.189 casos confirmados da doença, que estão distribuídos por todos os 223 municípios. Até o momento, 810.101 testes para diagnóstico da Covid-19 já foram realizados.

 

Também foram confirmados 27 novos óbitos desde a última atualização, sendo 21 nas últimas 24h. Os óbitos ocorreram entre os dias 13 e 22 de abril de 2021, sendo 04 deles em hospitais privados, 02 em residências e os demais em hospitais públicos. Com isso, o estado totaliza 6.576 mortes. O boletim registra ainda um total de 195.396 pacientes recuperados da doença.

 

Concentração de casos

 

Cinco municípios concentram 522 novos casos, o que corresponde a 50,09% dos casos registrados nesta quinta. São eles: João Pessoa, com 317 novos casos, totalizando 77.057; Campina Grande, com 126 novos casos, totalizando 26.081; Santa Rita, com 28 novos casos, totalizando 6.934; Alagoinha, com 26 novos casos, totalizando 1.375; Cabedelo, com 25 novos casos, totalizando 7.164.

 

* Dados oficiais preliminares (fonte: e-sus VE, Sivep Gripe e SIM) extraídos às 10h do dia 22/04/2021, sujeitos a alteração por parte dos municípios.

 

Óbitos

 

Até esta quinta, 215 cidades paraibanas registraram óbitos por Covid-19. Os 27 óbitos confirmados neste boletim ocorreram entre residentes dos municípios de Alhandra (1), Bayeux (1), Cabedelo (2), Campina Grande (4), Catolé do Rocha (1), Cruz do Espírito Santo (1), Duas Estradas (1), Guarabira (1), Igaracy (1), João Pessoa (8), Nova Floresta (1), Rio Tinto (1), Santa Rita (2), São Mamede (1) e Sousa (1).

 

As vítimas são 16 homens e 11 mulheres, com idades entre 38 e 89 anos. Hipertensão e diabetes foram as comorbidades mais frequentes e 04 não tinham comorbidades.

 

Ocupação de leitos Covid-19

 

A ocupação total de leitos de UTI (adulto, pediátrico e obstétrico) em todo o estado é de 59%. Fazendo um recorte apenas dos leitos de UTI para adultos na Região Metropolitana de João Pessoa, a taxa de ocupação chega a 62%. Em Campina Grande estão ocupados 62% dos leitos de UTI adulto e no sertão 55% dos leitos de UTI para adultos. De acordo com o Centro Estadual de Regulação Hospitalar, 53 pacientes foram internados nas últimas 24h. Ao todo, 682 pacientes estão internados nas unidades de referência.

 

Cobertura Vacinal

 

Foi registrado no sistema de informação SI-PNI a aplicação de 789.590 doses. Até o momento, 585.430 pessoas foram vacinadas com a primeira dose e 204.160 com a segunda dose da vacina. Um total de 1.029.630 doses já foram distribuídas.

 

Os dados epidemiológicos com informações sobre todos os municípios e ocupação de leitos estão disponíveis em: www.paraiba.pb.gov.br/coronavirus

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Notícias

Paraíba recebeu no fim da tarde de hoje (22/04) 59.300 doses de vacinas contra covid-19

Publicado há

em

Paraíba recebeu no fim da tarde de hoje (22/04) 59.300 doses de vacinas contra covid-19.
São 11.800 para aplicação da segunda dose da Butantan e 47.500 para ampliação de público da Astrazeneca.
A distribuição para os 223 municípios acontecerá a partir das 7h desta sexta, 23.

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.