CONECTE-SE CONOSCO

Destaque

‘Não vai ter lockdown’, diz Bolsonaro após Brasil registrar 4,2 mil mortes em um dia

Publicado há

em

Um dia após o Brasil registrar 4,2 mil mortes nas últimas 24 horas, o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) criticou nesta quarta-feira (7) a adoção de medidas restritivas para tentar frear o avanço da Covid-19 no Brasil e afirmou que não haverá um lockdown nacional. A declaração foi dada durante uma visita a Chapecó, no Oeste catarinense.

As ações para restringir a circulação de pessoas têm sido defendidas por autoridades sanitárias para enfrentar a pandemia no país, que vive seu maior pico e responde hoje por um em cada três mortos pelo novo coronavírus no mundo.

“Seria muito mais fácil a gente ficar quieto, se acomodar, não tocar nesse assunto, ou atender, como alguns querem, que eu posso fazer, o lockdown nacional. Não vai ter lockdown nacional”, afirmou Bolsonaro.

 

Para ele, é preciso buscar “alternativas” às medidas de distanciamento social, como o fechamento do comércio. “Vamos buscar alternativas, não vamos aceitar a política do fique em casa, feche tudo, lockdown. O vírus não vai embora. Esse vírus, como outros, vieram pra ficar, e vão ficar a vida toda. É praticamente impossível erradicá-lo”.

 

Jair Bolsonaro chega à cidade de Chapecó (SC) — Foto: Fernanda Moro/NSC TV

Jair Bolsonaro chega à cidade de Chapecó (SC) — Foto: Fernanda Moro/NSC TV

Durante o evento, que ocorreu no Centro de Eventos da cidade, todos utilizavam máscara de proteção. Em seu discurso, Bolsonaro voltou a defender o chamado “tratamento precoce”, com o uso de medicamentos sem eficácia comprovada contra a doença e que, segundo a Associação Médica Brasileira, deveriam ter seu uso contra a Covid banido.

“Eu não sei como salvar vidas, eu não sou médico, não sou enfermeiro, mas eu não posso escolher a liberdade do médico ou até mesmo do enfermeiro. Ele tem que buscar uma alternativa para isso”, afirmou.

Em diversos momentos do seu discurso, o presidente defendeu que os médicos tenham autonomia e liberdade para escolher o tratamento a ser aplicado, inclusive com medicamentos sem comprovação para a doença.

“Não podemos admitir impor limites ao médico. Se o médico que não quiser receitar aquele medicamento, que não receite. Se outro cidadão qualquer acha que aquele medicamento está errado, não está certo porque não tem comprovação científica, que não use, é liberdade dele. O off-label, fora da bula, é o remédio ‘pro’ paciente. Hoje, têm aparecido medicamentos que ainda não estão comprovados, que estão sendo testados, e o médico tem essa liberdade. Tem que ter. É um crime querer tolher a liberdade de um profissional de saúde”, disse.

 

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, também fez um discurso alinhado ao do presidente. Ele relacionou a autonomia dos médicos com a recuperação dos pacientes e elogiou o sistema aplicado em Chapecó:

“O presidente me deu autonomia para, no Ministério, construir uma equipe técnica com o objetivo de implementar políticas públicas e, conforme a Constituição Federal, é um direito de todos e um dever do Estado. Essas políticas públicas têm que atender a todos, independente de orientação política, e elas têm que chegar a cada um dos 220 milhões de habitantes”, explicou o ministro.

Além disso, ele também falou sobre a implementação da campanha de vacinação contra a Covid-19 e os trabalhos para constituir um complexo industrial para ter autonomia na produção de insumos. “Hoje o Brasil já tem acertado mais de 500 milhões de doses de vacinas e nas mais de 37 mil salas de vacinação espalhadas em todo o Brasil nós já vacinamos todos os dias 1 milhão de brasileiros”, disse.

Celebrações religiosas

 

Bolsonaro citou o julgamento no Supremo Tribunal Federal (STF) de permitir celebrações religiosas coletivas em todo o país e defendeu que a liminar seja mantida ou haja pedido de vista.

“90% da população – um pouco mais – acredita em Deus e, acreditando em Deus, eu espero que, daqui a pouco, como está previsto o Supremo Tribunal Federal julgar a liminar do ministro Kássio Nunes, ou que a liminar seja mantida ou que alguém peça vistas para que nós possamos discutir um pouco mais a abertura ou não de templos religiosos”, afirmou.

Forças Armadas

 

O presidente também negou o apoio das Forças Armadas aos governadores nas medidas restritivas de isolamento. “O nosso Exército brasileiro não vai a rua para manter o povo dentro de casa”.

A justificativa para não ter restrições no país usada pelo presidente foi a liberdade dos brasileiros e também a crise econômica, por isso defendeu que o Brasil “não vai parar para empobrecer mais”. “Eu não fico feliz em conceder auxílios. Gostaria que não fosse necessário isso, mas é para evitar o mal maior. Eu tenho dito, temo por problemas sociais gravíssimos no Brasil. Converso com as Forças Armadas, se eclodir isso pelo Brasil, o que nós vamos fazer, temos efetivo para conter?”, disse.

“Temos que estudar Chapecó, temos que ver as medidas tomada pelo prefeito e pela governadora […]. O problema está aí, soluções algumas aparecem como a de Chapecó outras virão. Temos que ter coragem para decidir se ficar parado esperando solução o problema além desse do vírus, teremos outro do desemprego que leva a depressão, leva a falta de esperança, leva a que outras doenças sejam agravadas”, disse. Também afirmou que nenhuma das decisões visa as eleições presidenciais de 2022.

Recepção e visita de trabalho

 

A governadora em exercício do Estado, Daniela Reinehr (sem partido), foi quem recebeu a comitiva presidencial no aeroporto Serafim Enoss Bertaso e acompanhou toda a visita. A secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto (Cidadania), também participou do evento.

O encontro ocorreu no centro da cidade criado para para enfrentar o colapso no sistema de saúde em fevereiro por falta de leitos para tratamento da Covid-19. No sábado (3), com a transferência do último paciente do local, a estrutura, que tinha 75 vagas, foi desativada (veja a escalada da doença na cidade mais abaixo).

O incentivo da administração municipal ao chamado “tratamento precoce” contra o coronavírus, mesmo sem eficácia comprovada, fez Bolsonaro elogiar a gestão em Chapecó também no início da semana. Na ocasião, ele anunciou a visita para Santa Catarina.

Aceleração da pandemia em 2021

 

Elogiada por Bolsonaro pelo trabalho de combate ao coronavírus, a cidade soma mais mortos pela Covid-19 do que a média nacional e estadual. A taxa de mortalidade por 100 mil habitantes da doença no município é de 240,6, enquanto no Brasil é de 160,3. Já em Santa Catarina, índice está em 161,2. Os dados são do Ministério da Saúde desta quarta-feira (7).

Das 339 mortes registras pela doença até a noite de terça-feira (6), 76% ocorreram em 2021. Foram 415 óbitos entre janeiro e abril. Desde o início da pandemia até dezembro de 2020 o município havia registrado 124 mortes (veja o quadro abaixo).

Mortes por Covid-19 em Chapecó
MesesMortesAté 31 de janeirode 2020Até 30 de janeirode 2021Até 28 defevereiro de 2021Até 31 de marçode 2021Até 6 de abril de2021100200300400500600

Até 31 de janeiro de 2020
● Mortes: 124
Fonte: Secretaria de Estado da Saúde (SES)

Com o colapso na saúde, o município de 224 mil habitantes suspendeu as atividades não essenciais por 14 dias no fim de fevereiro. Alguns serviços, como restaurantes e mercados, que puderam ficar abertos tiveram mudanças no horário de funcionamento e redução da capacidade de clientes.

Nas últimas semanas a cidade registrou diminuição do número de casos ativos de coronavírus e de pacientes com a doença fila por UTI. O prefeito Rodrigues atribuiu a melhora da situação da pandemia à testagem rápida, tratamento imediato e medidas de restrição e fiscalização.

“Nós tratamos imediatamente todos os pacientes com a testagem rápida que fizemos. Nós não fizemos lockdown em Chapecó, nós fizemos uma paralisação parcial da cidade por 14 dias em fevereiro para montar os equipamentos. Então, tudo tem ajudado”, defendeu Rodrigues.

Em 5 de março, a cidade tinha 3,2 mil casos ativos da doença. Na segunda (5), eram 620 pessoas em tratamento, segundo o governo estadual.

Visitas do presidente a SC

 

Jair Bolsonaro visitou o Estado sete vezes como presidente. A passagem mais recente foi há dois meses, para uma cerimônia do Ministério da Cidadania em Florianópolis, na Academia Nacional da Polícia Rodoviária Federal (PRF). Antes disso, ele passou férias em São Francisco do Sul, no Litoral Norte, por duas vezes, uma antes do Natal em 2020, e outra no carnaval deste ano.

Presidente Bolsonaro em São Francisco do Sul em fevereiro de 2021 — Foto: Prefeitura de São Francisco do Sul/Ivan de Leone/Divulgação

Presidente Bolsonaro em São Francisco do Sul em fevereiro de 2021 — Foto: Prefeitura de São Francisco do Sul/Ivan de Leone/Divulgação

​Em novembro do ano passado, o presidente voltou a prestigiar a formatura da PRF na Capital. No mês de julho do ano passado o presidente esteve na região da Grande Florianópolis após a passagem do ciclone-bomba que atingiu 185 cidades catarinenses e causou estragos severos em várias regiões.

A primeira visita ao Estado como presidente foi em maio de 2019, quando esteve em Camboriú para a abertura do Congresso dos Gideões.

G1

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Jovem morre após bater motocicleta em poste , em Guarabira

Publicado há

em

Uma jovem que pilotava uma motocicleta bateu em um poste por volta das 7h da manhã desse domingo (24), próximo ao CAIC bairro do Nordeste II em Guarabira, Agreste Paraibano.

Ela foi socorrida para o Hospital Regional, mas infelizmente não resistiu aos ferimentos e veio a óbito no hospital. Detalhes no Manhã de Notícias dessa segunda-feira (25) com @michelemarquestvmidia a partir das 7h da manhã.

 

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Pamella Holanda diz não se sentir segura com soltura de DJ Ivis após 3 meses

Publicado há

em

Pamella Holanda – (Foto: Instagram/pamellaholanda)

“Não me sinto segura nem plenamente satisfeita”, afirmou.

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — A influenciadora digital Pamella Holanda usou suas redes sociais neste sábado (23) para fazer um desabafo sobre a decisão da Justiça do Ceará, que mandou soltar o músico DJ Ivis, 30, seu ex-marido. “Não me sinto segura nem plenamente satisfeita”, afirmou.

“Estamos bem na medida do possível. Mais do que na Justiça confiamos em Deus, que tem nos sustentado, dado forças e nos iluminado em todo e qualquer passo que damos”, afirmou ela nos stories do Instagram, se referindo a ela e a filha que tem com DJ Ivis.

“Obviamente não me sinto segura nem plenamente satisfeita com os atuais fatos, mas eu preciso honrar meus compromissos profissionais e continuar com minhas obrigações pessoais, tomando todas as medidas possíveis de segurança, não só física, mas emocional”, completou.

Ela também postou uma nota de seus advogados afirmando que “todas as medidas protetivas de urgência continuam em vigor e que permanece o acusado [DJ Ivis] proibido de ter qualquer convivência e/ou contato com a ofendida [Holanda] ou se aproximar dela e de seus familiares seja física ou por qualquer outro meio de comunicação”.

Conhecido como DJ Ivis, o músico Iverson de Souza Araújo, foi solto na noite de sexta-feira (22), após mais de três meses de prisão. Ele estava em uma cadeia do Ceará desde o dia 14 de julho, após Holanda denunciá-lo por uma série de agressões. Ela chegou a divulgar vídeos da violência.

Produtor, cantor, compositor e tecladista, o artista emplacou hits como “Volta Bebê, Volta Neném”, “Não Pode se Apaixonar” e “Volta Comigo BB”. Ele já foi tecladista e produtor da banda Aviões do Forró e depois participou da reconstrução da carreira do líder do grupo, Xand Avião, além de ser considerado um dos expoentes da pisadinha e de ter colaborado com diversos artistas do gênero.

Holanda afirmou neste sábado que, além de mensagens de apoio, ela também recebeu ataques nas redes sociais, principalmente vindo de mulheres. “Não existe machismo estrutural, ignorância ou qualquer coisa que justifique gente sem coração. E principalmente mulheres se prestando a um papel deplorável. Vocês mesmas invalidam a luta”, afirmou.

RELEMBRE O CASO

Holanda denunciou as agressões em seu perfil no Instagram no dia 11 de julho, com imagens de socos, tapas e empurrões desferidos por ele. Em algumas das situações, ela estava com a filha do casal nos braços. Duas pessoas, sendo uma delas a mãe de Holanda, também aparecem.

Após a divulgação das imagens, Ivis postou um vídeo afirmando que havia coisas que não tinha sido mostradas pela ex-mulher.

“Eu sempre apanhei com a minha filha no braço, alguém tem noção do que é isso?”, questionou ele, que afirmou que era impedido de sair de casa pela ex, que não aceitava o término.

“Sempre tentei fazer de tudo para que isso não chegasse ao extremo. E, como eu disse, tenho como provar tudo, nada vai justificar a reação que eu tive, mas não aguentava mais ameaças”, afirmou. “Saí de casa e tenho assumido todas as despesas da filha. Tudo será devidamente provado.”

Muitos famosos e anônimos prestaram apoio a Holanda. Em entrevista ao programa Encontro com Fátima Bernardes (Globo), Holanda afirmou que sofreu a primeira agressão do marido quando estava grávida da filha e que chegou a ser agredida também por amamentar a menina após diagnóstico positivo de Covid, mesmo com liberação do médico.

Com a repercussão da denúncia, DJ Ivis, foi afastado de seus compromissos profissionais pela produtora que gerenciava sua carreira até então. Na época, ele chegou a ganhar mais de 200 mil seguidores em suas redes sociais.

FOLHAPRESS

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Aproveite as OFERTAS do Supermercado Leomar

Publicado há

em

Bom Dia! Olha só as Ofertas válidas hoje e amanhã no Supermercado Leomar!!
.
.
.
.
#ofertas #Leomar #supermercado #economia

 

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.