CONECTE-SE CONOSCO

Policial

Polícia e Gaeco prendem delegada e escrivão da Paraíba acusados de extorquir policial federal

Publicado há

em

A Operação Cara de Pau foi deflagrada pelo Núcleo de controle da atividade policial ( NCAP), em conjunção de esforços com o GAECO, do Ministério Público da Paraíba.

Foi apreendida uma quantia em dinheiro, que ainda não teve o valor total divulgado (Foto: Reprodução)

Uma delegada e um escrivão da Polícia Civil da Paraíba foram presos nesta quinta-feira (22) acusados da prática do crime de concussão, que consiste na exigência de vantagens indevidas pelo agente público. Conforme informações exclusivas obtidas pelo ClickPB e pelo jornalista Clilson Júnior, no programa Arapuan Verdade, da rádio Arapuan FM, a delegada alvo do mandado de prisão foi Maria Solidade de Sousa. Segundo a investigação, a delegada estava tentando extorquir um agente da Polícia Rodoviária Federal.

Maria Solidade foi alvo de um mandado de prisão preventiva.

Durante a deflagração da operação, também foi apreendida uma quantia em dinheiro, que ainda não teve o valor total divulgado. De acordo com informações recebidas pelo ClickPB, foram determinados dois mandados de prisão e três de busca e apreensão.

A Operação Cara de Pau foi deflagrada pelo Núcleo de controle da atividade policial ( NCAP), em conjunção de esforços com o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO), do Ministério Público da Paraíba.

No ano de 2016, a mesma delegada já havia sido alvo de investigações. Naquela época, Maria Solidade de Sousa foi acusada de desviar valores provenientes do pagamento de fianças.

Confira nota expedida pelos agentes de investigação:

NOTA 

O Núcleo de controle da atividade policial ( NCAP), em conjunção de esforços com  Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado – GAECO -, do Ministério Público da Paraíba, desencadeou no dia de hoje a operação Cara de Pau, com a finalidade de cumprir dois mandados de prisão e três de busca e apreensão, em face de uma delegada de polícia civil do Estado da Paraíba e seu escrivão, pela prática de concussão.

clickpb

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Policial

Dupla de criminosos assaltam o posto Bom Todo, do grupo Guaraves.

Publicado há

em

Uma dupla de assaltantes em uma motocicleta, assaltou o posto de combustíveis Bom Todo, que fica na saída de Guarabira para Cuitegi. O posto pertence ao grupo Guaraves.

A imagem de uma câmera de segurança instalada no posto mostra que a ação dos bandidos foi rápida.

A Polícia já está analisando as imagens e faz diligências para encontrar os elementos.

Não há informação do quanto foi levado pelos bandidos. O assalto aconteceu nas primeiras horas da tarde deste sábado (08).

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Policial

Tiroteio durante operação da Polícia deixa 15 mortos no Rio de Janeiro

Publicado há

em

Segundo a corporação, um policial civil e 14 suspeitos morreram na ação.

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 15 pessoas mortas (Foto: Reprodução)

Uma operação da Polícia Civil do RJ contra o tráfico de drogas no Jacarezinho, na Zona Norte do Rio, deixou 15 pessoas mortas e provocou um intenso tiroteio no início da manhã desta quinta-feira (6).

Segundo a corporação, um policial civil e 14 suspeitos morreram na ação. Dois passageiros do metrô foram baleados dentro de um vagão da linha 2, na altura da estação Triagem.

A Operação Exceptis investiga o aliciamento de crianças e adolescentes para ações criminosas, como assassinatos, roubos e até sequestros de trens da Supervia. A polícia afirma que o tráfico da região adota táticas de guerrilha, com armas pesadas e “soldados fardados”.

Até a última atualização desta reportagem, a polícia havia dado informações sobre cinco das vítimas, incluindo o policial morto e mais quatro pessoas feridas:

  • André Frias, policial civil, morto após ser baleado na cabeça; ele era da Delegacia de Combate às Drogas (Dcod);
  • Outros dois policiais feridos, um da Dcod e um da Coordenadoria de Operações Especiais (Core) — não havia informações sobre o quadro de saúde deles;
  • Dois passageiros dentro de um vagão da Linha 2 do metrô, feridos após uma bala perdida estilhaçar uma janela — também não havia informações sobre o quadro de saúde deles.

O Jacarezinho é considerado uma base do Comando Vermelho, a maior facção do tráfico de drogas em atividade no Rio. A comunidade é predominantemente plana, repleta de ruelas e cercada de barricadas instaladas pelo crime — o que dificulta o acesso de blindados, por exemplo.

O Globocop flagrou às 6h45 policiais avançando pelos trilhos da Supervia e do metrô — que cortam o Jacarezinho na superfície — e se abrigando em postes (veja no vídeo que abre esta reportagem). Helicópteros da polícia, em apoio às equipes em terra, davam rasantes na comunidade.

Às 7h30, criminosos com fuzis foram vistos pulando de laje em laje, em fuga. Os homens passavam as armas de mão em mão pelos muros enquanto corriam pelos telhados das casas.

Não havia movimentação de moradores nas ruas e vielas do Jacarezinho.

A troca de tiros afetou a circulação da Linha 2 do metrô e dos ramais de Saracuruna e de Belford Roxo da Supervia — trens da Central não partiam para esses destinos.

Escutas identificaram 21 criminosos

Com a quebra dos dados telemáticos autorizada pela Justiça, foram identificados 21 integrantes do grupo criminoso, todos responsáveis por garantir o domínio territorial da região com utilização de armas de fogo.

A polícia identificou uma estrutura típica de guerra provida de centenas de “soldados” munidos com fuzis, pistolas, granadas, coletes balísticos, roupas camufladas e todo tipo de acessórios militares.

G1

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Policial

PF desarticula quadrilha que comandava tráfico internacional de drogas

Publicado há

em

A Polícia Federal prende o banqueiro Eduardo Plass em nova etapa da Operação Hashtag, desbodramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.
© Tomaz Silva/Agência Brasil

Justiça determina a busca e apreensão de dez aeronaves

Policiais federais cumpriram nesta quinta-feira (6) 110 mandados judiciais – 38 de prisão e 72 de busca e apreensão – em Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Tocantins, Amazonas, Maranhão, Pará, Rio Grande do Sul, Paraná e São Paulo. A ação faz parte da Operação Grão Branco, cujo alvo é uma quadrilha responsável por tráfico internacional de drogas.

A 1ª Vara da Justiça Federal de Cáceres (MT) determinou ainda a busca e apreensão de dez aeronaves e o sequestro de todos os bens de 103 pessoas físicas e jurídicas investigadas. O valor total de bens sequestrado está sendo apurado.

Como foi o início da investigação

As investigações tiveram início em janeiro de 2019, quando a Polícia Federal (PF) e o Grupo Especial de Fronteira – Gefron, de Mato Grosso – apreenderam 495 kg de cocaína no município de Nova Lacerda (MT). Na operação, foram realizados mais de dez flagrantes com apreensão de aproximadamente quatro toneladas de cocaína, aeronaves e veículos utilizados no transporte e a prisão de mais de 20 pessoas envolvidas com o crime.

“O líder da organização criminosa, já condenado por tráfico de drogas,  encontrava-se foragido da Justiça brasileira e controlava toda a logística do transporte da droga a partir de uma mansão em um condomínio de luxo em Santa Cruz de La Sierra, na Bolívia, desde a saída da droga daquele país por meio de aeronaves, até o recebimento dela em pistas clandestinas no Brasil, o carregamento em carretas e a entrega em grandes centros do Brasil”, disse a PF, em nota.

Em 2020, por meio de uma cooperação internacional com a Polícia Boliviana (Cerian – Centro Regional de Inteligência Antinarcóticos), o líder foi expulso do país e entregue às autoridades brasileiras, iniciando o cumprimento da pena pelo crime. Ao mesmo tempo, seus familiares e outros integrantes da organização criminosa continuaram  comandando a logística de transporte da droga.

O nome do líder da organização criminosa não foi divulgado. O nome da Operação Grão Branco deve-se ao transporte de grãos (soja, milho) de Mato Grosso para São Paulo para justificar as viagens das carretas que transportavam a cocaína.

agenciabrasil

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.