CONECTE-SE CONOSCO

Destaque

Camila lamenta veto a projeto que obriga uso de tornozeleira para agressor de mulher e pede que Governo apresente matéria com igual teor

Publicado há

em

A deputada estadual Camila Toscano (PSDB) lamentou, nesta terça-feira (11), a manutenção do veto ao projeto de Lei 687/2019, de sua autoria, que institui a utilização de tornozeleiras eletrônica por homens que praticam violência doméstica e familiar. A matéria não conseguiu obter 19 votos dos deputados para derrubar o veto do Governo do Estado que alegou ser uma proposta inconstitucional por apresentar vício de iniciativa. Após o resultado, a deputada pediu que o governador João Azevêdo (Cidadania) assuma a proposta e salve vidas de mulheres paraibanas.

“Já que não conseguimos derrubar o veto, peço ao governador que tome para si a responsabilidade de salvar milhares de vidas de mulheres paraibanas. Temos visto um aumento no número de mulheres mortas, mesmo aquelas com proteção judicial. O projeto apresentado é mais uma ferramenta e um reforço na proteção das mulheres. Se a Assembleia Legislativa não tem a competência de propor a garantia da vida, que isso seja feito pelo Estado. A vida das mulheres paraibanas fica agora nas mãos do governador”, disse Camila.

A propositura apresentada pela deputada institui o monitoramento eletrônico do agressor de violência doméstica e familiar contra a mulher, seus familiares e ou testemunhas, que esteja cumprindo alguma das Medidas Protetivas de Urgência.

“Matéria como essa já é Lei no Rio de Janeiro e em vários outros estados do Brasil. Essa iniciativa vai ajudar a salvar vidas de mulheres paraibanas. O número de feminicídio tem crescido. São muitas mulheres assassinadas e 90% dessas mortes são cometidas pelos seus companheiros e dentro de casa. Temos que observar que muitas medidas restritivas são descumpridas pelos agressores, infelizmente para matar a mulher. A Assembleia Legislativa tem oportunidade de fazer história derrubando esse veto”, destacou Camila.

A propositura estabelece que o agressor poderá ser obrigado a utilizar equipamento eletrônico de monitoramento para fins de fiscalização e será encaminado para sanção ou veto do Executivo. Os casos de feminicídio no Brasil cresceram 1,9% no primeiro semestre de 2020 em relação ao mesmo período do ano passado, com 648 mulheres assassinadas por causa do gênero. Em 2019, foram registradas uma agressão física a cada 2 minutos (266.310 registros). A Polícia Civil solicitou 349.942 medidas protetivas de urgência em 21 estados brasileiros, quase mil por dia.

A deputada explicou que a tornozeleira é igual a que é usada pelo sistema penitenciário em todo o país. A diferença no monitoramento eletrônico dos agressores de mulheres é que ela é conectada ao rastreador. Quando o agressor invade a área estabelecida pela Justiça, que é de dois quilômetros de distância da mulher, os dois aparelhos começam a vibrar e as luzes mudam de cor.

Assessoria de Imprensa

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Guaraves lança site do RH Digital

Publicado há

em

CLIQUE AQUI E CADASTRE-SE

Através dele você se cadastra e poderá fazer parte deste time

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Jussara diz que ações da secretaria de saúde só chagam para amigos da secretária

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Parvovirose canina: sintomas, tratamento e prevenção. Dicas com o médico Veterinário João Paulo

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.