CONECTE-SE CONOSCO

Destaque

Datena anuncia saída da Band para entrar na política

Publicado há

em

O apresentador José Luiz Datena vai sair da televisão para entrar na política. Ele anunciou a decisão ao vivo e pode ser candidato a presidente em 2022.

Datena não foi claro sobre o futuro e apenas prometeu ser um “bom brasileiro” na política. (Foto: Reprodução/Band)

“Platão, que foi um sábio, dizia: se você não entrar na política e não for um bom cidadão, com boa intenção – e meu único interesse em entrar na política é público, de ser um bom brasileiro – enquanto você não entrar na política, o mau político continuará lá e ele vai ocupar o lugar do bom político”, declarou Datena no programa Brasil Urgente.

Datena já foi cogitado como candidato em outras eleições, mas desistiu. Dessa vez os indícios foram mais forte, pois ele até se filiou ao PSL (Partido Social Liberal), partido pelo qual o presidente Jair Bolsonaro se elegeu em 2018.

Atualmente Bolsonaro está sem partido, e o PSL está em um processo de fusão com o DEM (Democratas) para formar a legenda União Brasil. O novo partido deve nascer com nomes de impacto, como o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM) e o ex-Ministro da Saúde, Luiz Mandetta (DEM). Sergio Moro, ex-Ministro da Justiça, também é cotado como possível filiado.

Datena já foi cogitado como possível aliado de Ciro Gomes (PDT), pré-candidato a presidente em 2022. Ele pode ser candidato a vice na chapa do político cearense. Os dois se encontraram recentemente para falar sobre política.

Outra possibilidade para Datena é concorrer ao governo do estado de São Paulo, onde ele deve ter base eleitoral maior e não há um outro nome forte no partido.

clickpb

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

MPF investiga irregularidades em compra de 4 mil testes rápidos para covid-19 pela Prefeitura de Cuité de Mamanguape

Publicado há

em

O inquérito civil foi aberto para apurar compra da prefeitura com a empresa Everton Barbosa Falcão no ano de 2020.

Sede do Ministério Público Federal na Paraíba (MPF-PB). (Foto: Walla Santos)

O Ministério Público Federal (MPF) abriu nesta sexta-feira (15) um inquérito civil para investigar irregularidades na compra de 4 mil testes rápidos para detecção de Covid-19 por parte da Prefeitura de Cuité de Mamanguape com a empresa Everton Barbosa Falcão, segundo apurou o ClickPB. A portaria foi publicada pelo procurador da Républica Sérgio Rodrigo Pimentel de Castro Pinto.

O órgão já havia deflagrado no dia 9 de setembro a Operação Select que tinha o município como um dos alvos da investigação sobre o “direcionamento da contratação e montagem do próprio processo de dispensa de licitação, além de superfaturamento e sobrepreço nas aquisições de testes rápidos para a detecção da Covid-19”.

Na ocasião, foram constatadas que sete prefeituras da Paraíba, incluindo Cuité de Mamanguape, compraram kits de detecção de covid-19 que custavam R$ 25 por R$ 115, representando 89% a mais do valor do produto praticado no mercado.

De acordo com uma ação civil pública do MPF, a empresa investigada também havia vendido para a Prefeitura de Monteiro 5 mil testes rápidos e 40 mil máscaras descartáveis no valor de R$ 420 mil, com dispensa de licitação.

Segundo o Tribunal de Contas da Paraíba (TCE-PB), há indícios de sobrepreço no valor de R$ 268,5 mil nas aquisições. Já a Controladoria-Geral da União (CGU) apontou que supostamente a empresa contratada não forneceu os materiais adquiridos em sua integralidade, de maneira a potencializar o dano ao erário causado.

“Isso porque há um evidente descompasso entre a aquisição dos produtos, aferida a partir de notas fiscais de entrada e saída do estoque da empresa Everton Barbosa Falcão, e a venda aos entes públicos que com ela firmaram avença”, destaca a Justiça na decisão de primeira instância.

De acordo com as investigações da Operação Select, o prejuízo ao erário público chega a ser de R$ 2,8 milhões de recursos destinados ao combate da pandemia no estado.

“Alguns municípios estavam adquirindo testes rápidos por meio de dispensa de licitação. Há indícios de fraude e montagem de propostas de valores que resultava em direcionamento para determinada empresa fornecer por preços muito além do praticado no mercado. Os kits, em si, deveriam ter custado em relação a esses municípios investigados em torno de R$ 700 a R$ 800 mil e custaram R$ 3,4 milhões”, disse Queiroz.

Foram cumpridos 28 mandados de busca e apreensão em empresas e órgãos públicos nas cidades de João Pessoa, Santa Rita, Caldas Brandão, Mamanguape, Cuité de Mamanguape, Alhandra, Lagoa de Dentro, Serra da Raiz e Lagoa.

Os mandados foram expedidos pela 16ª Vara Federal em João Pessoa, 12ª Vara Federal em Guarabira e 8ª Vara Federal em Sousa, com pareceres favoráveis do Ministério Público Federal.

Crimes investigados – Os investigados responderão pelos crimes previstos nos artigos 89, 90 e 96 da Lei nº 8.666/93 (visto que cometidos antes do advento da lei 14.133/21), artigos 317 e 333 do Código Penal Brasileiro, além de outros que venham a ser descobertos no bojo da investigação

clickpb

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Acidente deixa vítimas com fraturas em rodovia que liga Guarabira a Pilõezinhos

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Duas pessoas morre em acidente envolvendo um carro do DER

Publicado há

em

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.