CONECTE-SE CONOSCO

Policial

Sobrinho esfaqueia e mata tio dentro de apartamento em João Pessoa; tia fica ferida

Publicado há

em

O crime aconteceu dentro de um apartamento no bairro Aeroclube, em João Pessoa. (Foto: Reprodução)

 

Um homem de 35 anos foi preso em flagrante, na noite do domingo (14), no bairro do Aeroclube, em João Pessoa, após ter esfaqueado e matado o tio, de 78 anos. Além disso, o suspeito ainda feriu a facas a tia de 60 anos. O crime teria ocorrido após o homem ter pedido dinheiro e a vítima se recusar.

De acordo com informações apuradas pelo ClickPB, o caso aconteceu em um apartamento no Aeroclube por volta das 17h de ontem. A Polícia Militar recebeu a denúncia de uma tentativa de homicídio, mas ao chegar no local encontrou duas pessoas sangrando. Vizinhos teriam segurado o suspeito até a chegada dos policiais.

Aos policiais, o homem disse que agiu em legítima defesa, mas não soube justificar o motivo. Uma equipe do Corpo de Bombeiros tentou reanimar o idoso de 78 anos, mas ele não resistiu aos ferimentos e morreu no local. Enquanto a idosa de 60 anos foi encaminhada para o Hospital de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, na capital paraibana.

Dentro do apartamento, a Polícia Civil encontrou três facas, sendo que duas tinham presença de sangue. O principal motivo do crime teria sido o pedido de dinheiro. O homem suspeito do crime foi a casa dos tios, apesar de não ter sido convidado, de acordo com informações. Ele já havia sido preso por assalto no estado do Ceará.

clickpb

Comente com seu Facebook

Clique para comentar

Escreva sua Resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Destaque

Operação policial prende 15 investigados por roubo e apreende armas na região de Guarabira

Publicado há

em

A Operação Hefesto II deflagrada em ação conjunta das polícias Civil, Militar e o Corpo de Bombeiros prendeu 15 pessoas investigadas por vários roubos a residências e propriedades rurais nos municípios de Guarabira, Araçagi e Itapororoca, na Paraíba. Durante a operação foi apreendida uma espingarda calibre 12, duas pistolas e três revólveres, além de várias munições.

Dos 16 alvos procurados, apenas um não foi localizado ainda. Veículos e roupas camufladas utilizados nos crimes também foram apreendidos pelos policiais.

A investigação é da Polícia Civil, por intermédio do Núcleo Operacional de Repressão Qualificada da 4ª Superintendência de Polícia Civil (4ª SRPC), sediada em Guarabira, e apura a atuação de uma associação criminosa que atua naquela região. De acordo com os relatos, os assaltantes agem com muita violência contra os moradores, durante essas invasões.

“É uma organização que vinha causando muitos prejuízos financeiros às vítimas, além do impacto psicológico gerado pela forma violenta com que agiam. Mas as forças de segurança da Paraíba seguem firmes e unidas, no combate às organizações criminosas”, disse o superintende da Polícia Civil na região, delegado Luciano Soares.

A Operação empregou mais de 150 agentes de segurança, entre policiais civis, militares e bombeiros.

CLIQUE AQUI PARA VER O VÍDEO

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Destaque

Corregedoria investiga pênis de borracha achado em academia da PM de São Paulo

Publicado há

em

Alguém invadiu a sala do professor da academia Barro Branco, atirou água no computador dele e, ainda, deixou o objeto fálico em cima da mesa.

A academia do Barro Branco tem aproximadamente 660 cadetes, além de cerca de 140 funcionários. Não há câmeras no local onde o trote ocorreu. (Foto: Reprodução)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) — Equipes da Corregedoria da Polícia Militar de São Paulo foram acionadas no dia 12 de novembro para tentar resolver um mistério bastante incomum: quem foi o responsável por colocar um pênis de borracha na mesa de um dos professores da academia do Barro Branco, responsável por formar os principais quadros da corporação.

Ao chegarem na unidade, que fica na zona norte da capital paulista, os agentes da Corregedoria encontraram funcionários e alunos proibidos de deixar o local até que o caso fosse esclarecido.

Seus superiores exigiam saber quem tinha invadido a sala de um professor, atirado água no computador dele e, ainda, deixado o objeto fálico em cima da mesa.

Apesar das broncas e ameaças, o responsável pelo ato não foi descoberto naquele dia e a turma acabou liberada horas depois. O assunto, porém, segue sendo investigado.

Todos os materiais (incluindo o pênis) foram recolhidos pelos agentes da Corregedoria para abertura de uma apuração. Analistas da PM tentam agora encontrar as digitais no material e confrontá-las com as das pessoas que estavam na unidade e, assim, identificar o culpado.

A academia do Barro Branco tem aproximadamente 660 cadetes, além de cerca de 140 funcionários. Não há câmeras no local onde o trote ocorreu.

De acordo com policiais ouvidos pela reportagem, o assunto se tornou um dos mais comentados nos grupos de PMs nas redes sociais nos últimos dias, virou stickers (figurinhas usadas para ilustrar conversas no WhatsApp) e tema de debates sobre os motivos que levaram ao trote.

Policiais disseram que o oficial alvo do trote seria o responsável pelo setor que cuida das operações realizadas pela academia. Uma das principais funções da unidade é exatamente ensinar aos alunos as funções práticas da função, inclusive com a realização de ações nas ruas.

Segundo essas pessoas ouvidas pela reportagem, o professor em questão não era considerado odiado pelos alunos, o que aumenta ainda mais as dúvidas sobre o caso.

Embora nas redes o caso tenha sido tratado pela maioria como brincadeira, os responsáveis pelo trote podem pagar caro pela ação – se vierem a ser identificados, evidentemente.

Entre as punições previstas está o desligamento do curso de oficiais, por exemplo. Se o aluno já era policial antes de entrar na academia, ele pode ainda ser alvo de um processo para ser expulso da PM.

Oficiais ouvidos pela reportagem afirmaram não ter conhecimento de casos semelhantes na academia do Barro Branco, considerada uma instituição de excelência na formação de cadetes e com vestibulares tão concorridos quanto os dos principais cursos da USP (Universidade de São Paulo).

Um único momento lembrado por eles foi o que levou à punição de Olímpio Gomes –o senador Major Olímpio, morto em março em decorrência da Covid.

Em 1982, na véspera de sua formatura na academia, ele e outros colegas de classe entraram no pátio da unidade em veículos em alta velocidade e deram “cavalos de pau”, provocando uma enorme confusão.

Pela brincadeira, mesmo estando apenas como carona, ele ficou preso por 25 dias (um dos 17 alunos punidos) e foi rebaixado de primeiro para segundo lugar de sua turma –decisão que marcou a carreira do oficial para sempre e era uma de suas grandes mágoas, conforme desabafava em entrevistas.

Procurada, a Polícia Militar não quis se manifestar.

FOLHAPRESS

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

Policial

Adolescente denuncia professor por assédio: “Passou pênis”

Publicado há

em

Ao saber de situação, pai foi até escola para pedir providências e entrou em briga corporal com suspeito

iStock

Um pai, revoltado ao descobrir que filha, de 17 anos, vem sendo assediada por professor, de 56, de uma escola estadual em Jaciara (a 214 km de Cuiabá), foi até a unidade de ensino para cobrar providências e acabou em vias de fato como o suspeito.

O caso foi registrado na noite de quarta-feira (1º/12). após a menina relatar que vem sofrendo com as investidas há alguns dias. Segundo ela, o educador chegou a passar o pênis nas nádegas dela, enquanto falava que ela tinha os seios bonitos.

 Metrópoles.

Comente com seu Facebook

CONTINUE LENDO

⚡EM ALTA

Copyright © 2021 Portal Mídia Orgulhosamente criado com ❤️ por FNX CORPORATION.