Eduardo Bolsonaro sugere adiar 2º turno para direito de resposta ao pai

O deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) sugeriu nesta quinta-feira (27) o adiamento do 2º turno das eleições para que o pai, o presidente Jair Bolsonaro (PL), tenha direito de resposta no caso das acusações sem provas sobre a supressão de inserções eleitorais em rádios do Nordeste.

“Se fosse dado todo o direito de resposta a Jair Bolsonaro, seria necessário tanto tempo que seria necessário adiar essa eleição”, disse o deputado em entrevista à BNews TV, da Bahia.

O parlamentar defendeu o adiamento também em evento no Espírito Santo. “A gente está diante de um caso que, se for dado o direito de resposta, será necessário adiar as eleições desse ano”, repetiu.

Bolsonaro aparece atrás do ex-presidente Lula nas principais pesquisas na reta final do 2º turno.

Na quarta-feira (26/10), o presidente do TSE (Tribunal Superior Eleitoral), Alexandre de Moraes, decidiu rejeitar a ação apresentada pela campanha do presidente sobre suposto boicote de rádios na veiculação da propaganda eleitoral. Moraes disse que a ação de Bolsonaro não tem provas e se baseia em levantamento de empresa “não especializada em auditoria”.

O ministro apontou possível “cometimento de crime eleitoral com a finalidade de tumultuar o segundo turno do pleito em sua última semana” e mandou o caso para ser avaliado dentro do inquérito das “milícias digitais”, que é relatado por ele mesmo no STF (Supremo Tribunal Federal).

As afirmações usadas pela campanha bolsonarista para alegar fraude, no entanto, têm ao menos sete fragilidades. Uma série de suspeitas de erros e inconsistências foi apontada no material entregue ao TSE.

Na entrevista à BNews TV, Eduardo Bolsonaro fez uma analogia com o futebol para falar sobre o caso.

“A gente simplesmente ia marcar um gol, tomamos um carrinho por trás e o juiz, além de não marcar pênalti, ainda deu amarelo para o nosso jogador”, disse.

O deputado deixou claro que a insistência no tema tem o objetivo de provocar comoção entre os apoiadores de Bolsonaro às vésperas das eleições.

“Cabe a nós fazer a denúncia para que seja feita uma comoção popular em favor dessa investigação”, afirmou. “Tem um candidato que está sendo depreciado e tem um que está sendo favorecido. Isso é democracia? Não, isso está ferindo a democracia”.

Para ele, “se a eleição for domingo”, haverá a certeza de que Bolsonaro foi prejudicado e não teve direito a uma reparação.

Folha de S.Paulo mostrou que integrantes do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Superior Tribunal de Justiça (STJ) avaliam que Bolsonaro copia o ex-presidente americano Donald Trump na reta final da campanha ao buscar insuflar em seus apoiadores questionamentos contra o resultado das eleições.

A avaliação da cúpula do Judiciário é a de que o presidente criou um factoide ao apresentar ao TSE uma ação sobre suposto boicote de rádios.

A medida foi divulgada pela campanha do presidente um dia após a prisão do bolsonarista Roberto Jefferson, que atirou em policiais e gerou desgaste na campanha.

Fonte:https://www.em.com.br/

Related posts

Deixe uma resposta