Empresário indiciado por abusar sexualmente de mais de 10 mulheres em provador de loja em Belo Horizonte é preso em São Paulo

Cleidison dos Santos Fernandes estava foragido desde março de 2021. Segundo a polícia, pelo menos 11 mulheres registraram boletim de ocorrência.

O empresário Cleidison dos Santos Fernandes, de 31 anos, foi preso nesta quinta-feira (27), em Tatuapé, Zona Leste de São Paulo. O homem foi indiciado em março de 2021 acusado de cometer os crimes de estupro, estupro de vulnerável e importunação sexual, contra mulheres dentro do provador de sua loja, em um shopping popular, no centro de Belo Horizonte.

De acordo com a polícia, pelo menos cinco vítimas registraram ocorrência e na internet existem mais de 50 relatos de mulheres acusando o empresário. As vítimas são clientes, modelos e funcionárias da loja ‘Ana Modas’.

Segundo o Departamento Estadual de Investigações Criminais da Polícia Civil de São Paulo (DEIC-SP), que realizou a prisão, o homem usava o nome de Wellington Oliveira para se manter no anonimato.

Ainda de acordo com a polícia, o empresário foi localizado após uma denúncia. A 5ª Delegacia de Patrimônio (Investigações sobre Roubo a Bancos), recebeu informações que um homem foragido da justiça mineira estaria escondido em um edifício no bairro Tatuapé.

Cleidison dos Santos Fernandes no momento da prisão — Foto: PCSP / Reprodução

Os policiais compareceram no local e efetuaram a prisão. O empresário acabou admitindo ser procurado, mas ao chegar na delegacia negou os crimes.

A defesa do Cleidison dos Santos Fernandes não foi localizada pela reportagem.

Entenda o caso

Fachada da loja Ana Modas, no Shopping Uai, em Belo Horizonte — Foto: Reprodução/TV Globo

Cleidison já responde na Justiça por uma acusação de abuso sexual. Além deste processo, o empresário de 31 anos é investigado pela Polícia Civil por outros casos. Segundo a Polícia Civil de Minas Gerais, as vítimas têm entre 18 e 29 anos e os crimes começaram em 2017.

“Foram 14 vítimas que nos procuraram e 11 foram consideradas para fins de indiciamento. Ele foi indiciado pelo crime de estupro por quatro vezes, por estupro de vulnerável – uma vez – e, pelo crime de importunação sexual por cinco vezes”, disse a delegada Larissa Mascotte.

Além disso, ele foi indiciado pela contravenção penal de importunação ofensiva em 2017, antes de a importunação sexual ser considerada crime.

Na maior parte das vezes, os abusos aconteceram dentro do provador da loja Ana Modas, localizada em shopping popular do centro de BH e que está fechada desde que as denúncias vieram à tona.

Nas redes sociais, mais de 50 mulheres compartilharam relatos de abusos sofridos tanto no interior do estabelecimento quanto na casa do homem. Entre as vítimas estão clientes, funcionárias e mulheres procuradas por ele para realização de parcerias com a loja.

O primeiro registro

“Ele me puxou pela cintura diversas vezes, colocou a mão na minha bunda, quando eu ia me afastando ele puxou me cabelo”, disse a jovem que formalizou a primeira denúncia, em 2017.

No boletim de ocorrência da Polícia Militar de Minas Gerais (PMMG) consta que a vítima, que tinha 18 anos na época, relatou que foi abusada pelo suspeito identificado como Cleidison dos Santos Fernandes, durante uma entrevista de emprego.

“Quando eu fui afastar, me beijou no braço, me deu uma mordida”, disse a designer de sobrancelhas, hoje com 22 anos.

Na época, Cleidison prestou esclarecimentos sobre o fato denunciado. A Polícia Civil informou que realizou os procedimentos investigativos e remeteu o caso à Justiça. O caso foi encerrado por falta de provas.

“É importante ir até o fim com isso porque a justiça precisa ser feita, alguma coisa precisa ser feita. É muito triste, né? Ver que precisa desse movimento todo, que precisa de tantas mulheres serem abusadas, estupradas, para poder ser feita alguma coisa”, disse a jovem.

Mais de 50 relatos

Jovem relatou ao G1 que foi abusada quando fazia fotos para loja de roupas em BH — Foto: Reprodução/Redes sociais

O movimento de denúncias começou depois que uma adolescente publicou um relato na internet. A consultora financeira Maria Eduarda Amaral, de 21 anos, viu a postagem da amiga e decidiu compartilhá-la em solidariedade. A partir disso, mais de 50 mulheres relataram ter sido vítimas do mesmo homem.

Uma ex-funcionária da loja relatou à TV Globo, que só teve coragem de procurar a polícia depois de assistir ao vídeo publicado por Duda. A estudante, que hoje tem 24 anos, trabalhou com o suspeito durante três meses e relatou que sofreu o abuso em 2018.

Estudante recebeu mais de 50 relatos de abusos que teriam sido cometidos por suspeito dono de loja em BH — Foto: Reprodução/Redes sociais

Outra estudante, de 20 anos, contou ao g1 Minas que foi abusada dentro da loja, no começo de 2020, quando foi até lá para tirar fotos de divulgação de roupas.

“Coloquei o biquíni, ele abriu a cortina e começou a passar a mão em mim. Ele me imobilizou, segurou meus braços e começou a me beijar à força, com meus braços imobilizados para trás. Ele falou pra eu não gritar, mas eu gritei. Como tem outras lojas em volta, ele me soltou”, afirmou a vítima.

O que diz o suspeito

Cleidison dos Santos Fernandes — Foto: Reprodução/Redes sociais

Em 2020, a advogada que defendia Cleidison dos Santos Fernandes deixou o caso.

Por G1 Minas — Belo Horizonte

Related posts

Deixe uma resposta