Leite condensado, maionese, aves e suínos são os itens que deixam o Natal dos brasileiros mais caro neste ano

Comparado com o mesmo período do ano passado, 28 produtos que compõem a ceia natalina estão mais caros. A ceia de Natal dos brasileiros será 16% mais cara, aponta levantamento

Supermercados com grandes promoções, descontos em diversos produtos da ceia natalina e baixa na procura dos consumidores em determinados produtos comprova que o brasileiro está pesquisando muito antes de comprar os produtos para ceia.

Segundo levantamento realizado pelo economista Fernando Agra, da Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF), ao todo foram analisados 28 itens que normalmente fazem parte da ceia dos brasileiros. Segundo o estudo, a alta se deu por conta do aumento da inflação nos últimos meses e não pela grande procura dos itens no período. Dentre os itens, destaque para maionese, arroz, carnes vermelhas, aves e suínos.

A maionese é a grande vilã deste ano, com um aumento na casa dos 30% comparado ao ano anterior. As aves por sua vez estão 5% mais caras, enquanto o arroz e a carne de porco registraram queda no custo, de 4,6% e 3% respectivamente. Segundo Fábio Pizzamiglio, diretor da  Efficienza, empresa especializada no comércio internacional, a queda do arroz e da carne suína deve-se ao grande resultado na safra de 2022 e nas criações, que bateram recordes, fazendo com que o preço interno caia e chegue mais barato na mesa do brasileiro.

“Sempre que falamos do alimento que está chegando na mesa dos brasileiros pensamos em todos os encargos relacionados ao comércio exterior e a logística. Desde o preço da gasolina e do diesel, até em problemas no mercado internacional. Dois exemplos claros disso estão no conflito militar na Europa e a pandemia, que ainda tem reflexos sentidos na inflação”, explicou o executivo.

A batata e a farinha de trigo também são vilãs na ceia do brasileiro. Para quem vai com frequência aos mercados e hortifrutis pode acompanhar a alta do produto nos últimos meses, assim como o tomate e a cebola. O legume registrou alta de 28,5% e a farinha de 26,6%. As bebidas, água e refrigerante, também encareceram em relação ao ano passado, ficando 12,4% mais caras.

O famoso pudim de leite condensado será substituído por muitos brasileiros este ano. O leite condensado, por exemplo, está 32,6% mais caro do que em 2021, assim como a manteiga e o açúcar, que aumentaram em 23,1% e 5,9%, respectivamente. Frutas também tiveram alta, mesmo as frutas da época como a manga e o melão, que tiveram safras impactadas pela crise hídrica no Brasil em 2021, registram alta nos custos de aproximadamente 30%.

“Cada movimento externo afeta no valor final dos produtos e isso é o que explica o aumento no valor das frutas no mercado nacional. Além disso, a volatilidade do mercado, principalmente motivada pelo período de transição do governo federal, também afeta os mercados. Um exemplo disso é a alta significativa do dólar que registramos no final do ano. Tudo isso gera impacto que pode ser observado no preço final para o consumidor”, completa Pizzamiglio.

Veja a lista dos produtos que tiveram os maiores aumentos neste Natal:

Leite Condensado: 32,6%
Maionese: 30%
Manga: 30%
Melão: 30%
Batata inglesa: 28,5%
Farinha de mandioca: 26,6%
Manteiga: 23,1%
Água e refrigerante: 12,4%
Açúcar: 5,9%
Aves: 5%
Sobre a Efficienza

A Efficienza é uma empresa fundada em 1996 com o intuito de prestar serviços de assessoria em comércio internacional. A empresa se destaca como solução integral na área de despacho aduaneiro, logística internacional e assessoria em comércio internacional. A empresa é detentora de 4% do market share de Drawback e isenção no Brasil.

Related posts

Deixe uma resposta