‘Packs’: grupos vendem pacotes de fotos e vídeos pornográficos em redes sociais, inclusive de menores de idade

smartphone, face, woman-1445448.jpg

Durante sete meses, os repórteres do Fantástico mergulharam nesse submundo, entraram em grupos e desvendaram esse esquema.

A reportagem especial deste domingo (9) traz um alerta para as famílias. O assunto é a disseminação de pornografia infantil na internet. Uma investigação do Fantástico mostra que jovens e menores de idade estão produzindo e vendendo material pornográfico nas redes sociais. São os chamados “packs”, pacotes com fotos.

Durante sete meses, os repórteres Carlos Henrique Dias e Giuliana Girardi mergulharam nesse submundo, entraram em grupos e desvendaram esse esquema.

Quando digitou a palavra “pack” na rede, o produtor do Fantástico descobriu que submundo é esse, que envolve pais completamente alheios ao que anda acontecendo no quarto ao lado; adolescentes achando que tiraram a sorte grande, mas tomaram calote; e jovens sendo presos depois de cometerem crimes.

Após as conversas, encaminhamos todo o material obtido para a polícia. Um jovem foi preso em São Paulo.

“Através das informações repassadas pela investigação de vocês, chegamos a essa pessoa. Chegamos na residência, a mãe estava branca, quase desmaiando, pelo susto que levou. Principalmente porque o mandado era em desfavor do filho dela, de 18 anos, filho único. Somente quando foi aberto o aparelho celular que ela viu que havia fotos de pornografia e que tava constatado que ele estava vendendo aquele material em forma de pacotes na internet. O dinheiro que ele recebia, ele dizia que era proveniente de jogos online que ele estava vendendo. A mãe ficou totalmente fora de si”, conta Ana Lucia Miranda, delegada titular da Delegacia de Repressão à Pedofilia.

Na Bahia, em Salvador, outra prisão de um jovem de 19 anos. Outro pai surpreendido.

“Ele ficou completamente chocado com o que viu, não entendeu muito bem. Tive que parar para explicar o que estava acontecendo e ele não imaginava. Pensava que o filho ficava o tempo todo, a maioria do tempo jogando. Foi constatado farto material relacionado à pornografia infanto juvenil, inclusive com negociação desse material para outros países como Colômbia e Rússia, por exemplo. E uma situação assim, diálogos: ‘Nós preferimos crianças menores que 8 anos de idade. Você tem algo relacionado a bebês?’”, relata Simone Moutinho, delegada titular da Delegacia Especial de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente.

Related posts

Deixe uma resposta