Padre da Polícia Militar no DF é preso em flagrante por importunação sexual de jovem de 16 anos

Sacerdote teria convidado adolescente que vendia bombons na rua para ir até a sua casa onde teria proposto ‘brindes’ por favores sexuais.

Uma armadilha preparada pela polícia culminou com a prisão em flagrante, na sexta-feira (21), do padre Jerfson dos Santos e Santos, tenente e sacerdote da Polícia Militar do Distrito Federal. Ele é acusado de importunação sexual de um jovem de 16 anos que vendia bombom nas ruas em Águas Claras, no Distrito Federal DF. A informação, divulgada pelo Metrópoles, foi confirmada pelo GLOBO. Após passar de carro por onde o adolescente vendia doce, o sacerdote o convenceu a ir até a casa dele porque estava sem dinheiro e tentou molestá-lo. Com a recusa do garoto, Jeferson concordou levá-lo de volta desde que dirigisse o carro e, numa nova tentativa de abuso, a vítima fugiu com o veículo. O jovem foi até a polícia e combinou com os policiais de devolver o veículo no estacionamento de um supermercado onde o religioso foi preso em flagrante.

O oficial é alvo, desde o final de 2021, de apurações conduzidas pelo Departamento de Controle e Correição (DCC) da Polícia Militar. Ele é investigado por denúncias de assédio a colegas que frequentavam suas missas. Em um dos casos, o padre é suspeito de ter convidado o filho de um policial a viajar com ele até Caldas Novas. Após as denúncias, o então bispo militar afastou Jerfson até que as investigações fossem concluídas. Procurada, a assessoria de comunicação da PM informou ao GLOBO que o sacerdote foi indicado por importunação sexual e entrega de direção a inabilitado. Segundo a instituição, a prisão do padre se deu por volta de 21h de sexta-feira e os detalhes da investigação são mantidos em sigilo porque menores têm proteção legal por força do Estatuto da Criança e do Adolescente. Jeferson está detido no Batalhão da Polícia Militar no Distrito Federal.

Mas a punição chegou antes devido à investida contra o ambulante. O adolescente contou que vendia bombons quando o militar se aproximou de carro e falou que levaria os chocolates, mas estava sem dinheiro e precisava que o acompanhasse até sua casa que era perto. No carro, o jovem já começou a observar atitudes suspeitas. Primeiramente, segundo contou aos policiais, o sacerdote ofereceu que ele dirigisse o carro apesar de ser menor de idade. Além disso, no apartamento tentou tocar o corpo do rapaz e sugeriu dar o dinheiro pelos bombons e um “brinde” se referindo, de acordo com a vítima, a um ato sexual.

O adolescente contou que convenceu o militar a deixá-lo ir embora e ele o levou de carro até a estação do metrô. Durante a viagem, ele mais uma vez teria dado a direção do veículo ao jovem que disse, durante o trajeto, que um pneu tinha furado. Quando o padre saiu para verificar o que tinha ocorrido, ele escapou e pediu socorro. Orientado sobre ir até uma delegacia, ele chegou na 21ª Delegacia de Polícia (Taguatinga Sul) e relatou os abusos sofridos. Como o padre tinha a chave de pix do menino com o número de celular, passou a enviar mensagens ao garoto com ameaças, dizendo que ele teria problemas caso não devolvesse o carro ou contasse a situação para a polícia.

Foi combinado que a vítima do abuso deixaria o veículo no estacionamento de um supermercado de Águas Claras. No local, policiais civis esperaram o tenente da PM. Abordado, ele acabou preso em flagrante com base no depoimento e nos prints da conversa.

Padre e militar da PMDF, o acusado negou o crime e contou uma versão diferente na delegacia, segundo o Metrópoles. Ele disse que estava em Taguatinga Norte para ir ao mercado, mas não soube detalhar o nome do estabelecimento. Por perto, viu o garoto vendendo os bombons, parou e se ofereceu para comprar uma caixa inteira, mas sugeriu que o adolescente passasse a trabalhar em Águas Claras, onde o fluxo de pessoas era maior.

Segundo ele, o garoto disse que morava em Águas Lindas e não sabia como chegar lá. O padre, então, teria oferecido carona. O militar ainda argumenta que foi o menino que pediu para dirigir e só deixou porque achou que ele teria 18 anos.

Sobre a importunação sexual, o padre alegou que apenas pegou na perna do garoto dentro do carro, dizendo que ele dirigia muito bem, porque estaria surpreso com a habilidade. Outra parte da história contada na delegacia que chamou atenção foi a descrição de como eles foram parar no apartamento.

O homem diz que o adolescente perguntou onde ele morava e indicou o caminho. Quando o carro se aproximou do portão da garagem do prédio, ele teria aberto sozinho, por causa de uma TAG de identificação veicular. O acusado também se defende contando que foi o garoto que pediu para subir e, dentro da casa, teria prometido “algo a mais” caso ele comprasse todos os bombons, que seriam favores sexuais.

O padre ainda conta, na versão, que teria recebido uma proposta sexual do garoto por R$ 500. Sobre o furto do carro, ele diz que chegou a ligar para a PM, mas desistiu de formalizar a denúncia quando recebeu mensagem do garoto negociando a entrega.

Os prints das mensagens trocadas entre os dois foram anexadas ao processo e um primo da vítima foi contatado. A prisão do padre foi informada à corregedoria da Polícia Militar e um PM foi até a delegacia. Ele conduziu o autuado ao 19° Batalhão de PMDF. A reportagem entrou em contato com a corporação e solicitou nota sobre os fatos, mas não recebeu retorno até a última atualização desta matéria. O espaço segue aberto. O padre foi nomeado como capelão militar da PMDF em janeiro de 2020.

Em nota, a PMDF disse que o capelão encontrava-se afastado de suas funções no âmbito da Polícia Militar e da igreja, aguardando decisão de processo que tramitava no âmbito da Igreja Católica. “Ao ser acionada, a Polícia Militar prontamente deslocou à delegacia para as providências cabíveis. Cabe salientar que nossa Bicentenária Corporação está nas ruas 24 horas por dia, 07 dias por semana, em todas as Regiões Administrativas, para bem servir e proteger a Sociedade da Capital e não coaduna com fatos que sejam contrários a legislação e regulamentos em vigor”, destacou a corporação.

O Globo

Related posts

One Thought to “Padre da Polícia Militar no DF é preso em flagrante por importunação sexual de jovem de 16 anos”

  1. José

    mais um padre gay pipocando no noticiário, semana passada foi no RN, agora em Brasília, vamos ver na próxima semana, hehehe

Deixe uma resposta