Prefeitura de Santa Rita torra dinheiro em shows de São João enquanto crianças aguardam até dois meses por sonda

O pai de Maria Sofia, Felipe Lopes Calisto​, fez um apelo nesta sexta-feira (8), para que a Secretaria de Saúde retome a entrega de sondas, que são necessárias para manter a saúde da pequena Maria, de 5 anos, portadora de uma doença chamada mielomeningocele. ​

Enquanto esbanja dinheiro público com festas que custaram ao todo quase meio milhão, R$ 480 mil em shows de São João, as crianças de Santa Rita que sofrem com doenças graves estão abandonadas pela gestão do Prefeito de Santa Rita, Emerson Panta. O pai de Maria Sofia, Felipe Lopes Calisto, fez um apelo nesta sexta-feira (8), para que a Secretaria de Saúde retome a entrega de sondas, que são necessárias para manter a saúde da pequena Maria, de 5 anos, portadora de uma doença chamada mielomeningocele.

Segundo Felipe, em entrevista ao ClickPB, a pequena Maria também necessita de cuidados especiais por não conseguir andar, já que a mesma doença afetou outras partes de seu corpo, “minha filha vive em uma cadeira de rodas, a minha esposa que faz a retirada das sondas diversas vezes ao dia com suas necessidades. A gente vai na Secretaria de Saúde para pegar sondas, luvas e fraldas, mas há dois meses que esses materiais estão faltando e eles alegam que houve problema em licitações. Minha filha não pode pagar pela irresponsabilidade dos gestores que deveriam fazer o mínimo que é reverter nossos impostos em direitos básicos como saúde”, reclamou.

“Desde que nasceu minha filha precisa dessas sondas. Ela tem cinco anos e usa diversas sondas ao longo do dia,  pois sofre com uma doença chama mielomeningocele, e a sonda é necessária para que ela faça suas necessidades fisiológicas. Mas, a Secretaria de Saúde de Santa Rita está sem esse material há semanas e coloca em risco a saúde de minha filha, pois não temos condições de arcar com essa despesa, além dos medicamentos que já comprometem quase toda a nossa renda”, desabafou.

clickpb

Related posts

Deixe uma resposta