Tropas russas avançam para Ucrânia, dizem governos dos Estados Unidos e Letônia

Putin estaria movendo forças e tanques adicionais para os territórios ocupados de Donbas, segundo primeiro-ministro da Letônia; EUA aponta preocupação com cidade a nordeste do país

Tropas russas estão se movendo para a região leste da Ucrânia, que a Rússia agora reconheceu como “independente”, segundo o primeiro-ministro da Letônia, membro da Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte), e fontes familiarizadas com a inteligência dos EUA.  Autoridades dos Estados Unidos também afirmaram nesta quarta-feira (23) que o governo americano enviou um novo aviso ao governo da Ucrânia de que as últimas informações de inteligência apontam para uma invasão russa em grande escala.

“De acordo com as informações à minha disposição, [Vladimir] Putin está movendo forças e tanques adicionais para os territórios ocupados de Donbas”, disse o primeiro-ministro da Letônia, Arturs Krišjānis Kariņš, a Jim Sciutto, da CNN, nesta quarta-feira (23).

“Por qualquer definição, isso é uma travessia de um território soberano para um país vizinho”, afirmou o representante do governo letão.

Pressionado especificamente sobre se ele estava se referindo à entrada de tropas russas adicionais desde que Moscou reconheceu as duas regiões separatistas no início desta semana, Kariņš respondeu: “Sim, de acordo com as informações à minha disposição, é exatamente isso que estamos vendo”.

Duas outras fontes familiarizadas com a inteligência dos EUA confirmaram à CNN que tropas russas de fato cruzaram a fronteira para a região separatista desde que Putin, reconheceu as duas regiões e emitiu uma ordem de envio de “paz” para o Donbas na terça-feira.

A Rússia mobilizou de um a dois grupos táticos de batalhão, a principal formação de combate da Rússia, cada um com uma média de cerca de 800 soldados, de acordo com um alto funcionário dos EUA.

CNN não verificou independentemente a presença de tropas russas adicionais no Donbas. O presidente dos EUA, Joe Biden, descreveu na terça-feira (22) os eventos que estão em andamento na Ucrânia como “o início de uma invasão russa”, mas altos funcionários do governo se recusaram a confirmar se tropas russas adicionais entraram no Donbas – onde forças russas não identificadas apoiaram combatentes separatistas desde 2014.

Já o novo aviso emitido pelos Estados Unidos foi transmitido na manhã de terça-feira, no horário local de Kiev. Um alto funcionário ucraniano disse que o país não verificou a informação com a inteligência e fez a observação de que os Estados Unidos já emitiram avisos semelhantes para ataques que acabaram não se materializando.

A notícia do aviso vem quando o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky pediu que um estado de emergência seja imposto em todo o país a partir da meia-noite na Ucrânia. Os Estados Unidos alertaram que a preocupação principal é com a cidade do nordeste de Kharkiv, de acordo com o alto funcionário ucraniano e um oficial ocidental familiarizado com a inteligência.

O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia disse que não havia planos para evacuar a cidade. “Não temos esses planos”, disse Dmytro Kuleba durante uma entrevista coletiva em Washington ao lado do secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken.

Vídeos de redes sociais geolocalizados e analisados ​​pela CNN nos últimos dias mostram um acúmulo contínuo de tanques de apoio com menos de 30 quilômetros (cerca de 18 milhas) através da fronteira com a Rússia. Autoridades dos EUA disseram que preveem uma invasão terrestre e ataques aéreos caso a Rússia lance um ataque.“Mísseis e bombas russos vão cair na Ucrânia. As comunicações serão bloqueadas. Os ataques cibernéticos fecharão as principais instituições ucranianas”, disse Blinken na semana passada perante o Conselho de Segurança da ONU, descrevendo como os EUA acreditavam que um ataque russo à Ucrânia se desenrolaria.“Depois disso, tanques e soldados russos avançarão em alvos-chave que já foram identificados e mapeados em planos detalhados”.https://edition.cnn.com/europe/live-news/ukraine-russia-news-02-23-22/index.html

Violações ao cessar-fogo

Em sua última declaração sobre as violações do cessar-fogo no leste da Ucrânia, o Ministério da Defesa do país afirmou que o território sob controle ucraniano havia sido bombardeado 59 vezes pelas autodeclaradas repúblicas de Luhansk e Donetsk até as 17h, hora local desta quarta.

Desses incidentes, 54 envolveram armas proibidas pelo acordo de Minsk, que estipula que armas pesadas não devem estar a menos de 50 quilômetros das linhas de frente. Um membro do serviço ucraniano foi morto e outro ferido, de acordo com o ministério. Na terça foram registrou 80 violações.

CNN

Related posts

Deixe uma resposta