Vídeo: advogado pichador interrompe coletiva de senadores e ataca PT

Claudemir Parisotto foi identificado, detido e apontado como responsável por vandalizar monumentos na Esplanada dos Ministérios

Em uma abordagem constrangedora, o advogado Claudemir Antônio Parisotto, de 48 anos, investigado pela Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF) por pichações com ataques ao Partido dos Trabalhadores (PT), interpelou senadores com comentários sobre uma suposta “droga comunista”.

O defensor, que chegou a ser levado para a 5ª Delegacia de Polícia (Área Central), foi filmado durante coletiva de imprensa concedida pelos senadores Lasier Martins e Eduardo Girão, ambos do Podemos. Antes de os repórteres fazerem qualquer pergunta, o advogado bolsonarista chamou a atenção dos parlamentares ao afirmar que ele e o vice-presidente eleito Geraldo Alckmin haviam sido “drogados por petistas”.Parisotto, que deixou os senadores visivelmente constrangidos, disse, ainda, que tentaram evitar que ele chegasse ao DF. “Senador Martins, esta Casa talvez não esteja sabendo, eu sou advogado de Chapecó (SC) e está circulando no meu corpo e no corpo do Geraldo Alckmin a droga LSD. Ela controla o racional da pessoa. Desembarquei no aeroporto no dia 4 de maio e me deram a droga no voo para eu não estar aqui, agora. Mas eu me recuperei. A droga não vicia, mas controla o subconsciente”, disse.

Veja a abordagem do advogado aos senadores:

Exame sanguíneo

Visivelmente constrangido com a paralisação da coletiva, o senador Lasier Martins resolveu responder Claudemir . “Sugiro que o senhor se submeta a um exame médico para extração do sangue e que possa verificar a confirmação do que o senhor está falando”, respondeu.

O advogado se tornou alvo de investigação da PCDF após as primeiras pichações estamparem a fachada dos ministérios da Saúde e da Agricultura. Integrantes do 6º Batalhão da Polícia Militar (BPM) começaram a patrulhar a região a fim de tentar localizar o vândalo. Poucos dias depois, policiais legislativos do Senado Federal chegaram a correr atrás do suspeito, mas não o alcançaram. No entanto, o pichador deixou cair uma mochila.

Com a pista, as autoridades descobriram a identidade do homem que estava manchando os monumentos com ataques ao PT e alguns políticos ligados à legenda. Mesmo assim, ele não parou e ainda sujou as paredes do Museu Nacional da República, os Anexos do Senado e da Câmara dos Deputados. O Ministério das Relações Exteriores e a Catedral de Brasília também não escaparam.

Veja imagens das pichações:

Related posts

Deixe uma resposta