Agente da PF suspeito de contrabando atuou em série de TV no aeroporto

O agente da Polícia Federal (PF) Gianpiero Nieri Rocha, de 48 anos, é um dos policiais que participam da primeira temporada da série Área Restrita, exibida na TV a cabo e em streaming. O programa mostra os bastidores das forças de segurança do Aeroporto Internacional de São Paulo, em Guarulhos, na Grande São Paulo.

Nieri e Ernesto Kenji Igarashi, 51, são investigados por suposto envolvimento em um esquema de envio ilegal de ouro para o exterior por meio de voos comerciais. Ambos estão afastados da PF e usando tornozeleira eletrônica.

No programa, Nieri aparece como uma das personagens da vida real que atuam para identificar práticas ilegais, incluindo as feitas por meio do despacho de bagagens. As defesas dele e de Kenji não foram localizadas. O espaço segue aberto para manifestações.

Com 12 episódios, a primeira temporada da série Área Restrita também mostra a rotina de agentes da Receita Federal e das polícias Civil e Militar. Nieri aparece dando apoio em operações, via telefone e mensagem, e até se disfarçando de funcionário para investigar irregularidades.

Investigados

Até a operação, Nieri e Ernesto trabalhavam no Aeroporto Internacional de São Paulo, de onde centenas de quilos de ouro foram contrabandeados, como mostram as investigações da PF. Ambos tinham livre acesso às áreas pública e restrita do maior aeroporto do Brasil por serem policiais federais.

Fontes que acompanham o caso afirmaram, em sigilo, que os agentes recebiam o ouro e o repassavam para a área restrita do aeroporto, onde entregavam o material para “mulas”  pessoas responsáveis por transportar o metal precioso. O ouro tinha como origem garimpos clandestinos.

Investigação da PF aponta que o grupo criminoso transportou “centenas de quilos de ouro” para fora do Brasil, entre 2018 e 2022, a partir de voos comerciais partindo de Guarulhos.

Operação interestadual

Como desdobramento do levantamento, a superintendência da PF do Distrito Federal deflagrou, na sexta-feira (1º/12), a Operação Ládon, para apurar possíveis crimes de organização criminosa, usurpação de bens da União, evasão de divisas, corrupção ativa e passiva, além de lavagem de dinheiro.

Foram cumpridos, no mesmo dia, mandados de busca e apreensão, expedidos pela Justiça Federal, em Bragança Paulista, onde mora Ernesto, e Guarulhos, onde reside Gianpiero, e também nos estados do Espírito Santo e do Ceará e no Distrito Federal.

A Justiça Federal determinou que todos os investigados, cujo número total não foi divulgado, fossem submetidos a medidas cautelares diversas da prisão. Dois deles estão usando tornozeleiras eletrônicas.

Questionada sobre o envolvimento dos dois agentes que trabalham no aeroporto no esquema de contrabando de ouro, a PF afirmou, por meio de nota, que não se manifesta sobre “investigações em curso”.

CORREÇÃO: Ao contrário do que foi informado pela reportagem inicialmente, os policiais federais não foram presos, mas alvos de medidas cautelares diversas, como uso de tornozeleira eletrônica.

metropoles